Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Brexit: Primeiro dia de negociações

Brexit: Primeiro dia de negociações
Tamanho do texto Aa Aa

Arrancaram em Bruxelas as negociações sobre as condições para o Brexit.

Antes de começar a discutir um acordo de livre comércio, a primeira-ministra britânica, Theresa May, declarou estar disposta a dar direitos iguais aos dos cidadãos britânicos aos cidadãos dos outros países da União Europeia que já residam há cinco anos no Reino Unido. Uma concessão que exige reciprocidade: o equivalente deve ser oferecido aos cidadãos britânicos na União Europeia.

“O que vou indicar é que o Reino Unido propõe proteger os direitos dos cidadãos da UE que vivem no Reino Unido e garantir a proteção dos direitos dos cidadãos do Reino Unido na Europa”, disse Theresa May.

Mais de 3 milhões de cidadãos europeus vivem no Reino Unido e cerca de 1 milhão de britânicos estão nos países da União Europeia.

As negociações para o divórcio arrancaram, mas ainda há quem imagine que o Reino Unido acabe por ficar na União Europeia. Para o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, este é um processo “muito difícil” para o qual a União Europeia está “bem preparada”, mas é um processo que poderia ainda ser revertido. Inspirado, Tusk citou a letra de uma canção:

“Alguns dos meus amigos britânicos perguntaram-me se o Brexit pode ser revertido e se eu consigo imaginar um resultado em que o Reino Unido permaneça na União Europeia.

Eu respondi-lhes que, na verdade, a própria União Europeia foi construída sobre sonhos que pareciam impossíveis de alcançar. Quem sabe… Podem dizer que sou um sonhador, mas não sou o único.”

Mark Rutte, o primeiro-ministro da Holanda, país que três meses depois das eleições continua sem governo, pede a Londres que diga finalmente o que quer com o Brexit:

“Tem uma importância crucial sabermos o que quer o Reino Unido com o Brexit. Espero, obviamente, que consigamos estabelecer uma forma de continuação da adesão do Reino Unido ou de relacionamento om o mercado interno, com a união aduaneira. Isto é importante para os empregos no Reino Unido.”