A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Albânia vota novo parlamento com UE no horizonte

Albânia vota novo parlamento com UE no horizonte
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os albaneses votam este domingo a composição do novo parlamento. A ineficiência do poder judicial e a corrupção, principais obstáculos no caminho para a União Europeia, foram assunto principal da campanha eleitoral.

O Partido Socialista (PSSh) de Edi Rama é o favorito, mas dificilmente conseguirá uma maioria governativa. Rama pretende renovar o seu mandato como primeiro-ministro. Promete criar 220 mil novos postos de trabalho, implementar a reforma judiciária no combate à corrupção e abrir negociações de adesão à União Europeia.

Rama governou nos últimos meses sob grande pressão do principal partido da oposição, o Partido Democrático (PDSh), que organizou vários protestos de rua e boicotes ao trabalho do Parlamento. Com mediação internacional, Rama e o líder do PDSh, Lulzim Basha, acordaram em maio um pacto que pôs fim aos protestos de rua inspirados pelos conservadores, que acusavam o primeiro-ministro de corrupção e ligações ao crime organizado. Os dois líderes concordaram em formar um governo de transição a fim de garantir a transparência e realização de eleições democráticas.

O acordo de maio poderia, segundo alguns analistas políticos, viabilizar uma coligação entre os socialistas e o Partido Democrático, permitindo aos socialistas evitarem a governação com o parceiro de coligação dos últimos quatro anos, o Movimento Socialista para a Integração (LSI) do presidente Ilir Meta, que Edi Rama acusa de ter usado o poder para benefício próprio. O partido de Meta, surgido em 2004 de uma cisão no PS, tinha governado durante a legislatura anterior com os conservadores do Partido Democrático (PDSh).

A Albânia é membro da NATO desde 2009. O país obteve em 2014 o estatuto de candidato à adesão à UE, mas tem ainda caminho a fazer. De acordo com o último relatório da Comissão Europeia, instituições judiciais do país são “lentas e ineficientes” e a “corrupção continua a prevalecer”.

É um dos países mais pobres da Europa, com um salário médio de 340 euros por mês. O desemprego tem levado milhares de pessoas, especialmente os jovens, a deixar o país (2,9 milhões de albaneses vivem no país, enquanto 1,2 milhão estão no exterior, um recorde mundial).