Coreia do Norte: "Resposta severa" de Trump não convence China e Rússia

Coreia do Norte: "Resposta severa" de Trump não convence China e Rússia
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pyongyang afirma que "seria fácil" aniquilar o vizinho sul-coreano depois de primeiro teste com míssil intercontinental

PUBLICIDADE

Donald Trump promete uma “resposta severa” a Pyongyang após o lançamento de um míssil norte-coreano no dia da festa nacional dos Estados Unidos. Em Varsóvia, o presidente norte-americano apelou a uma resposta conjunta ao primeiro teste com um míssil intercontinental capaz de atingir o Alaska. Washington anunciou que vai submeter uma nova resolução ao Conselho de Segurança da ONU, “proporcional à escalada militar da Coreia do Norte”, segundo a embaixadora dos EUA na ONU, Nikky Haley.

‘Temos não só que proteger os nossos países da ameaça do terrorismo, mas temos também fazer face à ameaça da Coreia do Norte, pois é disso que se trata, de uma ameaça. E vamos confrontá-los com muita força. O presidente Duda e eu apelamos a todas as nações para que respondam a esta ameaça global e que demonstrem de forma pública à Coreia do Norte as consequências do seu mau, muito ma u comportamento”, declarou Trump.

Seul afirmou, por seu lado, que Pyongyang tem uma última oportunidade de diálogo, depois de ter levado a cabo uma simulação de um ataque ao regime comunista, com vários mísseis de curto alcance, em conjunto com as forças norte-americanas.

Um apelo ao diálogo renovado também pelo secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg:

Segundo o Secretário-Geral da NATO, Jens Stoltenberg:

‘A Coreia do Norte tem que respeitar as obrigações internacionais, parar todas as atividades relacionadas com os seus mísseis balísticos e programa nuclear, abandonar todas as armas de destruição maciça que ainda possui e de uma vez por todas”.

Mas a posição da comunidade internacional está longe de ser unânime. A China rejeita a possibilidade de uma ação militar enquanto a Rússia descarta apoiar novas sanções contra Pyongyang no Conselho de Segurança da ONU.

O regime comunista emitiu um comunicado em que afirma que, “seria fácil aniquilar o vizinho sul-coreano”, num momento em que, segundo o documento, “somos capazes de destruír o solo continental americano”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Trump paga 175 milhões de dólares para evitar apreensão de bens em caso de fraude

Trump diz que não tem dinheiro para pagar caução de 454 milhões de dólares ao tribunal

Biden e Trump confirmam nomeações e reeditam duelo nas presidenciais de novembro