EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Rex Tillerson demonstra apoio à Ucrânia com visita oficial a Kiev

Rex Tillerson demonstra apoio à Ucrânia com visita oficial a Kiev
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Secretário de Estado dos EUA disse que Washington defende a integridade territorial ucraniana.

PUBLICIDADE

Com Reuters

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Rex Tillerson, deslocou-se em visita oficial à Ucrânia para um encontro com o presidente Petro Porochenko.

Washington mostra assim o total apoio a Kiev no que diz respeito ao conflito territorial com a Rússia.

Rex Tillerson disse que Moscovo tem a responsabilidade e a capacidade de aliviar as tensões na região:

“Apelamos à Rússia que hon re os compromissos relacionados com os acordos de Minsk e que exerça influência sobre os separatistas na região sobre os quais tem absoluto controlo,” disse o secretário de Estado dos EUA.

“E pedimos também que exija às forças no terreno que cessem a violência no leste da Ucrânia”, concluiu.

Durante a sua visita oficial à Ucrânia, Rex Tillerson acrescentou que a “interferência” de Moscovo
nas eleições presidenciais dos Estados Unidos de 2016 impedia um melhor entendimento com Putin.

Ucrânia prepara-se para futura entrada na NATO

Não foi feita qualquer referência às sanções impostas pela comunidade internacional à Rússia, ainda que o presidente Donald Trump tenha referido, anteriormente, via rede social Twitter, que as sanções seriam “para manter” até que estivessem resolvidos os problemas da Síria e da Ucrânia.

O secretário de Estado encontrou-se também com um grupo de ativistas ucranianos no passado domingo. Pedem reformas no sistema político do país.

A Ucrânia prepara-se para ser membro efetivo da NATO e foi aprovado, em julho, um projeto de lei nesse sentido.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Joe Biden recebe Ursula von der Leyen e Charles Michel na Casa Branca

EUA ponderam resposta à presença do balão chinês nos seus céus

Aliança Atlântica redefine estratégia e reforça posições no flanco Leste