EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Trump Júnior fala sobre as polémicas

Trump Júnior fala sobre as polémicas
Direitos de autor 
De  Nara Madeira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O filho de Donald Trump, que se reuniu com uma advogada russa à procura de informações sobre Hillary Clinton, falou pela primeira vez.

PUBLICIDADE

Depois de mais um capítulo na polémica sobre a intervenção russa nas presidenciais dos EUA, o filho de Donald Trump, que se reuniu com uma advogada russa à procura de informações sobre Hillary Clinton, falou pela primeira vez:

“Olhando para trás talvez tivesse feito as coisas de maneira um pouco diferente, isto aconteceu antes da polémica com a Rússia, antes de todas as questões com a imprensa”, adiantou Trump Júnior.

Donald Trump defende o filho, como sempre no Twitter, elogiou-o e falou de mais uma caça às bruxas, a maior da história política.

Numa comissão de inquérito, à alegada interferência russa nas últimas presidenciais dos EUA, o Republicano Lindsey Graham perguntou ao diretor nomeado por Trump para o FBI se à luz dos emails do filho do presidente e de outras alegações acredita que há uma caça às bruxas. A resposta foi:

“Não considero que o Director Mueller esteja envolvido numa caça às bruxas”, garantiu Christophe Wray.

Para Mike Pompeo, o diretor da CIA, não há dúvidas:

“A ameaça dos nossos adversários que tentam interferir nas nossas eleições é muito real, e os russos claramente fizeram-no nas eleições de 2016, fizeram-no nas de 2012, na década de 1970 também”, afirmou Mike Pompeo.

Trump Júnior divulgou, terça-feira, mensagens de correio eletrónico trocadas com Rob Goldstone para combinar um encontro com uma advogada russa, em junho de 2016. Natalia Veselnitskaya tinha informações, de Moscovo, para “incriminar” Hillary Clinton.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tribunal Penal Internacional emite mandado de captura contra altos funcionários russos

Moscovo diz que ataques ucranianos na Rússia e Crimeia fizeram seis mortos e mais de 100 feridos

Ataque no Daguestão faz pelo menos seis mortos e 12 feridos