Parlamento polaco ignora avisos da UE e aprova lei controversa

Parlamento polaco ignora avisos da UE e aprova lei controversa
De  Miguel Roque Dias com REUTERS
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Entre outras coisas, a nova lei vai permitir ao Executivo interferir no processo de seleção das equipas de magistrados.

PUBLICIDADE

A câmara alta do parlamento polaco aprovou na madrugada de sábado, uma controversa reforma do sistema judicial que permite ao Governo controlar o Supremo Tribunal do país.

A nova legislação levou a que milhares de pessoas protestassem nas ruas de Varsóvia e em cidades um pouco por toda a Polónia.

21 st July 2017: another day of “strollers” protest for #democracy with singing about #freedom in #Poland#Katowice#resistancemovementpic.twitter.com/HoBeErpivA

— Jarosław Gibas (@JaroslawGibas) July 21, 2017

Entre outras coisas, a nova lei vai permitir ao Executivo interferir no processo de seleção das equipas de magistrados.
O partido no poder, o Lei e Justiça, de Jaroslaw Kaczynski, tem ampla maioria.

Depois de ser aprovada, na quinta-feira, na câmara baixa do Parlamento, a polémica lei precisa ser, ainda, ratificada pelo presidente Andrzej Duda, para entrar em vigor.

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, apelou ao chefe de Estado polaco que não assine a nova legislação. Mas Bruxelas vai mais longe e ameaça com a possibilidade de sanções contra a Polónia.

My statement on the situation in Poland. https://t.co/nk7BAWCoEqpic.twitter.com/NLPDTChc43

— Donald Tusk (@eucopresident) July 20, 2017

O vice-presidente da Comissão Europeia, Frans Timmerman, alertou que caso esta lei entre em vigor, “pode ser acionado o artigo 7° do Tratado da União Europeia, o que pode levar à suspensão do direito de voto do da Polónia no bloco europeu.

Com: Reuters

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Parlamento polaco investiga utilização do software Pegasus

Agricultores polacos prometem continuar protestos na fronteira com a Ucrânia

"Schengen militar": o que vai mudar o acordo assinado pela Polónia, Alemanha e Países Baixos?