Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Casa Branca condena detenção dos líderes da oposição da Venezuela

Casa Branca condena detenção dos líderes da oposição da Venezuela
Tamanho do texto Aa Aa

A detenção dos líderes da oposição da Venezuela, Leopoldo López e Antonio Ledezma, na terça-feira, fez aumentar a tensão entre Caracas e Washington.

A administração de Donald Trump condenou, as detenções. Em comunicado, a Casa Branca considera que os dois opositores são “presos políticos”, estão detidos ilegalmente, e responsabiliza pessoalmente Nicolás Maduro “pela saúde e segurança de López e Ledezma.


O Alto-comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein, diz estar preocupado com as novas detenções, na Venezuela.

A porta-voz do comissariado afirma que têm relatos de estar a ser usada a “força excessiva no contexto das manifestações” e de estarem a ocorrer várias detenções. Ravina Shamdasani diz que a ONU apela ao Governo de Caracas “que se abstenha de dar mais passos de modo a evitar o agravar da situação.”

O secretário-geral da ONU, António Guterres, exortou o Governo de Caracas a resolver as tensões.


Leopoldo López e Antonio Ledezma, que estavam em prisão domiciliária, foram levados para a prisão militar de Ramo Verde, nos arredores de Caracas.

O Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela justificou a detenção dos dois oposicionistas por alegados preparativos de fuga, segundo os serviços de informação do país.

As detenções ocorrem após os dois opositores terem apelado ao boicote à eleição de uma Assembleia Constituinte, do presidente Nicolás Maduro, que entra em vigor esta quarta-feira.