Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

China quer novas negociações e pede "inteligência" à Coreia do Norte

China quer novas negociações e pede "inteligência" à Coreia do Norte
Tamanho do texto Aa Aa

A China, principal aliada da Coreia do norte, instou Pyongyang a adotar uma “decisão inteligente” após o endurecimento das sanções da ONU contra o regime norte-coreano. Os ministros dos Negócios Estrangeiros dos dois países encontraram-se em Manila, nas Filipinas, à margem de um fórum sobre segurança regional.

“Na realidade tivemos conversações muito produtivas. O lado chinês pediu aos norte-coreanos para lidar com as resoluções da ONU de uma forma calma e não fazer nada contra a comunidade internacional, como lançar mísseis ou realizar testes nucleares”, explicou o chefe da diplomacia chinesa, Wang Yi.

Wang afirmou também que “o objetivo é trazer a questão nuclear na península [coreana] de volta à mesa das negociações e procurar uma solução através das negociações, até que a desnuclearização e estabilidade na península sejam alcançadas”.

O secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, afirmou já que Washington quer negociar com a Coreia do Norte, mas advertiu que as negociações não serão produtivas se Pyongyang continuar a pretender manter as suas armas nucleares.

O Conselho de Segurança da ONU aprovou por unidade uma resolução que reduz até mil milhões de dólares [849 milhões de euros] por ano os rendimentos obtidos pelo regime de Pyongyang com as exportações.

Todos os países deverão garantir que empresas e cidadãos não compram estes produtos essenciais da economia norte-coreana e cujos rendimentos “são usados para financiar programas ilícitos”, de acordo com o Conselho de Segurança.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, saudou a China e a Rússia pelo apoio dado à resolução apresentada pela ONU, que reforça as sanções já impostas à Coreia do Norte.

“O Presidente aprecia a cooperação da China e da Rússia para garantir a adoção desta resolução”, indicou em comunicado a Casa Branca.

Numa nova resposta ao programa balístico e nuclear norte-coreano, o conselho de segurança da ONU adotou no sábado e por unanimidade novas sanções. A serem respeitadas. Pyongyang deverá perder mil milhões de dólares em receitas anuais.

A Coreia do norte respondeu. Ameaçou com um “mar de fogo” a qualquer ação militar ou sanções dos Estados Unidos.