EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Washington e Seul dizem preferir o diálogo com Pyongyang

Washington e Seul dizem preferir o diálogo com Pyongyang
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Governo da Coreia do Sul disse ao presidente dos Estados Unidos que não deseja um conflito na Península.

PUBLICIDADE

Com Lusa

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o homólogo da Coreia do Sul, Moon Jae-in, concordaram, que Pyongyang constitui uma ameaça “grave e crescente” durante uma conversa telefónica.

Segundo um comunicado da Casa Branca, “os dois dirigentes afirmaram que a Coreia do Norte representa uma ameaça (…) para os Estados Unidos, Coreia do Sul, Japão, bem como para a maioria dos países do mundo”.

Trump e Moon Jaen-in mantiveram uma conversa telefónica, de aproximadamente uma hora, este domingo, durante a qual prometeram aplicar “qualquer resolução pertinente” contra a Coreia do Norte e instaram a Comunidade Internacional a fazer o mesmo.

Sanções “sem precedentes”

Durante a conversa, Moon disse a Trump que o pacote de sanções aprovado por unanimidade constitui um feito “sem precedentes”

O presidente sul-coreano expressou o desejo de que o novo conjunto de medidas da ONU possa “servir de catalisador para uma mudança de atitude da Coreia do Norte”.

Se esta nova resolução da ONU for respeitada, deverá privar Pyongyang de receitas anuais na ordem dos 850 milhões de euros.

Proposta pelos Estados Unidos, a resolução 2371 visa interditar as exportações norte-coreanas, sobretudo carvão, ferro e pesca, para pressionar Pyongyang a negociar, após o lançamento de dois mísseis intercontinentais em julho.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Kim Jong-Un quer plano de "longo prazo" para relações bilaterais com a Rússia

"Novo nível estratégico" nas relações entre a Rússia e a Coreia do Norte

Kim Jong-Un regressa a casa após visita à Rússia