Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

"Síria deve envergonhar comunidade internacional" garante ex-investigadora da Comissão de Inquérito

"Síria deve envergonhar comunidade internacional" garante ex-investigadora da Comissão de Inquérito
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O secretário-geral da ONU defende que o trabalho da Comissão de Inquérito sobre a Síria deve continuar, mesmo depois da saída de uma das investigadoras. António Guterres acredita que a responsabilização dos culpados pela situação do país é “crítica” e que o trabalho desta comissão “é uma parte importante e integral do processo de responsabilização”. Este grupo de investigação foi criado pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU para denunciar violações de direitos humanos e crimes de Guerra na Síria.

Carla Del Ponte, a investigadora suíça que abandonou a comissão, em entrevista à euronews fez questão de “agradecer a Guterres pelas palavras de reconhecimento” e lembrou que “é inaceitável que, após sete anos de conflito e de verdadeiros crimes na Síria, o Conselho de Segurança ainda não tenha tomado nenhuma decisão”.

Carla del Ponte explica que “o processo está a ser bloqueado pela Rússia e esta é uma questão política”. A investigadora defende que “há muitos países envolvidos no conflito por interesse político e isso é expressado nas resoluções do Conselho de Segurança”.

Questionada sobre que diferença entre esta guerra na Síria e outros casos como os da antiga Jugoslávia ou o Ruanda, Carla del Ponte lembra que “nesses dois conflitos, seis meses após a publicação do primeiro relatório, o Conselho de Segurança reagiu e tomou medidas, coisa que não aconteceu na Síria ao final de sete anos”. A suíça considera “um escândalo, uma verdadeira vergonha para a comunidade internacional. A investigadora garante que, mesmo apesar da vasta experiência, nunca viu casos tão crueis como na Síria”.