"Síria deve envergonhar comunidade internacional" garante ex-investigadora da Comissão de Inquérito

"Síria deve envergonhar comunidade internacional" garante ex-investigadora da Comissão de Inquérito
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Carla Del Ponte, a investigadora suíça que abandonou a comissão, em entrevista à euronews, lembrou que "é inaceitável que, após sete anos de conflito e de verdadeiros crimes na Síria, o Conselho de Segurança ainda não tenha toma

PUBLICIDADE

O secretário-geral da ONU defende que o trabalho da Comissão de Inquérito sobre a Síria deve continuar, mesmo depois da saída de uma das investigadoras. António Guterres acredita que a responsabilização dos culpados pela situação do país é “crítica” e que o trabalho desta comissão “é uma parte importante e integral do processo de responsabilização”. Este grupo de investigação foi criado pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU para denunciar violações de direitos humanos e crimes de Guerra na Síria.

Carla Del Ponte, a investigadora suíça que abandonou a comissão, em entrevista à euronews fez questão de “agradecer a Guterres pelas palavras de reconhecimento” e lembrou que “é inaceitável que, após sete anos de conflito e de verdadeiros crimes na Síria, o Conselho de Segurança ainda não tenha tomado nenhuma decisão”.

Carla del Ponte explica que “o processo está a ser bloqueado pela Rússia e esta é uma questão política”. A investigadora defende que “há muitos países envolvidos no conflito por interesse político e isso é expressado nas resoluções do Conselho de Segurança”.

Questionada sobre que diferença entre esta guerra na Síria e outros casos como os da antiga Jugoslávia ou o Ruanda, Carla del Ponte lembra que “nesses dois conflitos, seis meses após a publicação do primeiro relatório, o Conselho de Segurança reagiu e tomou medidas, coisa que não aconteceu na Síria ao final de sete anos”. A suíça considera “um escândalo, uma verdadeira vergonha para a comunidade internacional. A investigadora garante que, mesmo apesar da vasta experiência, nunca viu casos tão crueis como na Síria”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Quase metade dos animais migratórios estão em risco

Israel diz ter descoberto túneis do Hamas debaixo da sede da UNRWA

ONU, Estados Unidos e Egito preocupados com ataques israelitas em Rafah