Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Coreia do Norte ameaça território americano com mísseis

Coreia do Norte ameaça território americano com mísseis
Tamanho do texto Aa Aa

A Coreia do Norte anunciou esta quarta-feira estar a considerar planos de um ataque com mísseis às bases militares dos Estados Unidos em Guam, um território norte-americano não incorporado localizado 3500 quilómetros a leste da Coreia do Norte, na Micronésia, em pleno oceano Pacífico ocidental.

O governador de Guam, Eddie Calvo, descartou contudo esse eventual ataque anunciado após a ameaça de Donald Trump a Pyongyang com “o maior fogo, fúria e poder jamais vistos no mundo” caso o regime de Kim Jong-Un continue a provocar.


“Quero tranquilizar o povo de Guam de que atualmente não há ameaças à nossa ilha ou à das Marianas”, afirmou o governador de Guam, ao diário Pacific Daily News.

A ameaça norte-coreana partiu de um porta-voz do respetivo exército e apontou diretamente a Guam, num eventual ataque com mísseis de médio/ longo alcance com o objetivo de “conter as principais bases estratégicas americanas naquela ilha do Pacífico, “incluindo a de Andersen”, lê-se num despacho da agência KCNA.


Eddie Calvo disse ter falado do assunto com responsáveis da Casa Branca e do Pentágono. O governador de Guam sublinha o estatuto da ilha e a presença, ali, de americanos.

“Um ataque ou uma ameaça a Guam é um ataque ou uma ameaça aos Estados Unidos. Foi prometido a defesa da América e quero recordar os meios de comunicação de que Guam é território americano. Temos 20 mil soldados americanos em Guam e nas Marianas. Não somos apenas uma instalação militar”, afirmou Eddie Calvo.


As mais recentes provocações da Coreia do Norte surgiram após a aprovação pelas Nações Unidas de mais um pacote de sanções que visa reduzir as receitas das exportações norte-coreanas.

As sanções foram justificadas pelo lançamento de dois mísseis balísticos, em julho, pela Coreia do Norte.

Pyongyang responsabiliza Washington pela decisão da ONU e ameaçou retaliar com “ações físicas” contra posições dos Estados Unidos.