EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Coreia do Norte aponta mísseis a Guam

Coreia do Norte aponta mísseis a Guam
Direitos de autor 
De  Luis Guita
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Coreia do Norte diz estar pronta a disparar mísseis em direção ao território norte-americano de Guam. Pyongyang revelou a intenção de disparar quatro mísseis que vão sobrevoar o Japão e atingir o Pacífico a cerca de 40 quilómetros da ilha de Guam, fora das águas territoriais dos Estados Unido.

PUBLICIDADE

Coreia do Norte diz estar pronta a disparar quatro mísseis em direção ao território norte-americano de Guam.

No plano detalhado, dado a conhecer quinta-feira pela agência de notícias da Coreia do Norte, KCNA, que cita o general Kim Rak Gyom, comandante da Força Estratégica do Exército Popular Coreano, Pyongyang revela a intenção de disparar quatro mísseis que irão sobrevoar o Japão e atingir o Pacífico a cerca de 40 quilómetros da ilha de Guam, fora das águas territoriais dos Estados Unidos.

A revelação do plano norte-coreano, que estará finalizado em meados de agosto, surgiu em reação ao aviso do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de que Washington irá responder com “fogo e fúria jamais vistos” se as ameaças de Pyongyang não cessarem.

Localizada no oeste do Pacífico, a cerca de 3.500 km da Coreia do Norte, na ilha de Guam vivem 162 mil pessoas. A ilha está equipada com um escudo antimísseis THAAD e é base de várias instalações militares estratégicas para os Estados Unidos.

Entretanto, o Governo japonês fez um “apelo veemente para que a Coreia do Norte preste atenção aos avisos da comunidade internacional, cumpra as resoluções da ONU e se abstenha de outras provocações”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Kim e Putin encontram-se em Pyongyang para expandir a cooperação económica e militar

ONU denuncia ensaios com mísseis balísticos da Coreia do Norte

Kim Jong-Un quer plano de "longo prazo" para relações bilaterais com a Rússia