Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Regresso de Trump a Nova Iorque é alvo de protestos antirracistas

Regresso de Trump a Nova Iorque é alvo de protestos antirracistas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Donald Trump regressou segunda-feira a Nova Iorque com uma vaga de protestos a aguardá-lo no centro de Manhattan, junto à Trump Tower, para onde se dirigiu o Presidente dos Estados Unidos.

Milhares de manifestantes aguardavam a comitiva de Trump ao longo da Quinta avenida gritando, por exemplo, “vergonha” ou “este não é o meu presidente” e hasteando cartazes onde pediam a “destituição” do atual chefe de Estado e nos quais também defendiam que “a Casa Branca não é lugar para a supremacia branca.”


Nesta primeira visita de Trump, após a tomada de posse, à torre a que dá nome, a polícia nova-iorquina montou uma apertada operação de segurança no perímetro da Trump Tower, com o objetivo, reportou o jornal New York Post, de evitar o eventual ataque de um bombista suicida.

Pelo menos dois manifestantes terão sido detidos pela polícia.


A comitiva do presidente conseguiu evitar a manifestação chegando ao edifício por um caminho alternativo.

O foco dos protestos estava na recente tragédia de Charlosttesville, na Virginia, onde um suposto militante ultranacionalista investiu de carro contra uma manifestação antirracismo e acabou por matar uma mulher de 32 anos, deixando ainda 19 feridos.

Em Charlottesville têm-se sucedido as vigílias por Heather Heyer, a vítima mortal da tragédia.

Na Internet estalou também um duelo cibernético motivado por insultos a mulher atropelada mortalmente na Virginia. Num artigo publicado pelo site neonazi The Daily Stormer, entretanto já desalojado, lia-se que Heather era “gorda e um desperdício para a sociedade”.

“Apesar da indignação fingida dos meios de comunicação, a maior parte das pessoas está feliz com a morte dela porque ela era a definição de inutilidade. Uma mulher de 32 anos sem filhos é um fardo para a sociedade e não tem qualquer valor”, acrescentava a publicação extremista.

A página The Daily Stormer terá sido atacada e sequestrada pelo grupo de “justiceiros” informáticos autointitulado Anonymous.


A GoDaddy, plataforma que alojava a página neonazi, decidiu expulsar o The Daily Sotrmer, que tentou alojar-se na plataforma da Google, mas resistiu ali pouco tempo e agora mantém-se aparentemente desligado da rede, apenas com uma conta ativa no Twitter.