Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Eleições Angola2017, Isaías Samakuva (UNITA): Educação universal gratuita

Eleições Angola2017, Isaías Samakuva (UNITA): Educação universal gratuita
Tamanho do texto Aa Aa

Isaías Samakuva (UNITA) promete educação para todos e não quer governantes portugueses a visitar Angola antes das eleições.

Samakuva é o líder da Unidade Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), o maior partido da oposição. Assumiu o cargo em 2003 após a morte, em 2002, de Jonas Malheiro Savimbi, o líder histórico do partido.

Isaías Samakuva tem 71 anos e foi pastor evangélico antes de, em 1974, ingressar na UNITA. É licenciado em Relações Internacionais, é casado e tem cinco filhos.

Foi embaixador da formação na Europa, por duas vezes (de 1989 a 1994 e de 1998 a 2002). É deputado na Assembleia Nacional desde 2008.

Esta não é a primeira vez que o líder do “Galo Negro” concorre ao cargo mais alto de Angola. Em 2012, Samakuva foi derrotado por José Eduardo dos Santos, mas ganhou um novo fôlego ao conseguir duplicar o número de deputados no Parlamento.

Para convencer o eleitorado, Samakuva assumiu uma postura transparente divulgando a sua declaração de rendimentos e bens, da esposa e a dos filhos. O líder do principal partido da oposição defende que a educação é um setor fundamental para a segurança do país, fazendo a apologia de uma educação universal gratuita.

Numa visita a Portugal, Isaías Samakuva apelou a uma postura “equidistante” portuguesa num processo em que pode vir a desempenhar “um papel fundamental”.

“Verificámos em três pleitos eleitorais -1992, 2008 e 2012 – que na aproximação da campanha eleitoral dirigentes políticos portugueses visitaram Angola e saíram com discursos laudatórios sobre quem estava a governar o país”, lembrou Isaías Samakuva.

O cabeça de lista da UNITA considera que “quando faltam dois ou três meses para as eleições e vem uma entidade estrangeira dizer que o governo está bom e que está tudo bem, está a dizer ao eleitor que não há razões para mudar de governo.”