Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Macron semeia a divisão no Grupo de Visegrado

Macron semeia a divisão no Grupo de Visegrado
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O presidente francês Emmanuel Macron, defendeu esta quinta-feira, em Bucareste, que, se a directiva europeia sobre os trabalhadores destacados não for alterada, o “dumping fiscal” pode levar ao “desmantelamento da União Europeia”.

Macron assinou em Salzburgo na quarta-feira um acordo com a República Tcheca e a Eslováquia para a revisão da diretiva em outubro. Após o encontro com o chanceler da Áustria, Christian Kern, e os primeiros-ministros da Eslováquia, Robert Fico, e da República Checa, Bohuslav Sobotka, o presidente francês disse que as discussões sobre a reforma da norma comunitária de trabalhadores deslocados “marcam uma verdadeira etapa, um verdadeiro avanço rumo a um compromisso em outubro.”

Discussões fora das quais Macron teve o cuidado de deixar os renitentes: Polónia e Hungria. Caberá à República Checa e à Eslováquia convencer os dois renitentes do Grupo de Visegrado.

“Estou em sintonia com o presidente da República Checa e farei tudo para que estas posições sejam aceites por todo o Grupo de Visegrado”, disse o primeiro-ministro da Eslováquia, Robert Fico.

A França quer limitar a duração do trabalho deslocado a 12 meses, contra os dois anos previstos atualmente, e que os trabalhadores deslocados recebam no país anfitrião todas as remunerações compulsórias. A regra em vigor permite que as empresas paguem a estes trabalhadores, em grande parte dos países do leste europeu (em 2015, os polacos constituiam quase 25% do total dos trabalhadores destacados na UE), um salário que não seja superior ao mínimo do país de acolhimento, o que cria diferenças com os valores recebidos pelos locais.