EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Justiça suspende decreto de Temer sobre Amazónia

Justiça suspende decreto de Temer sobre Amazónia
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
PUBLICIDADE

Está suspensa a controversa extinção de uma grande reserva amazónica para exploração mineira. O decreto do Presidente brasileiro Michel Temer foi anulado por uma decisão de um juiz federal que considerou que uma decisão do género tem que passar pelo Congresso.

O magistrado deu razão a uma ação popular. Mas o governo vai apresentar recurso.

A reserva mineral, criada em 1984, engloba áreas protegidas, parques, florestas estaduais, além de territórios indígenas. Conta com 47 mil quilómetros quadrados, tamanho superior a países como a Bélgica ou a Dinamarca.

O presidente Michel Temer, que disse estar pessoalmente empenhado na luta contra as alterações climáticas, afirmou num comunicado do Palácio do Planalto, que o local não é um paraíso como querem fazer parecer e garantiu que a ecologia e os direitos dos indígenas serão preservados. Temer justifica a decisão com a necessidade de revitalizar a industria mineira do país.

Após a publicação do decreto, as críticas invadiram as redes sociais a contestar o que chamam de “leilão da floresta”. Está também em curso uma petição que já conta com centenas de milhares de assinaturas.

Os ambientalistas afirmam que o decreto iria colocar em causa a biodiversidade e exerceria pressão sobre os indígenas.

Esta quarta-feira o Fundo Mundial para a Natureza WWF anunciou que em dois anos foram descobertas 381 novas espécies animais e plantas na região amazónica, incluindo macacos, golfinhos, anfíbios e repteis.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Brasil: foram chamados para salvar crianças, mas acabaram numa operação de "salvamento" de armas

Cheias no Brasil deixam mais de 100 mortos e milhares de desalojados

Chuvas fortes no sul do Brasil fazem pelo menos 75 mortos e mais de 100 desaparecidos