Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

A ambiguidade de Merkel face ao "Dieselgate"

A ambiguidade de Merkel face ao "Dieselgate"
Tamanho do texto Aa Aa

Em plena campanha eleitoral, Angela Merkel vê-se a braços com o escândalo das emissões poluentes da indústria automóvel alemã.

Em várias cidades, responsáveis políticos querem proibir os veículos mais poluentes, como os carros a diesel.

A justiça tem dado razão aos queixosos que denunciam dez mil mortes precoces por ano devido às emissões de óxido de azoto.

Para evitar a proibição, sem ser acusada de negligenciar a saúde pública, a chanceler alemã anunciou que o governo federal vai duplicar o fundo para os transportes limpos.

Em conferência de imprensa Angela Merkel anunciou que o governo vai dar mais 500 milhões de dólares ao fundo misto da indústria automóvel e do governo para as energias limpas.

A imprensa alemã acusa Merkel de assumir uma posição ambígua. A chanceler não quer proibir o diesel mas anunciou que apoia as ações coletivas na justiça contra as construtoras automóveis que manipularam os testes de poluição.

Nos Estados Unidos, a Volkswagen indemnizou os clientes enganados, mas recusa fazer o mesmo na Europa, onde, neste tipo de caso, a legislação é menos favorável aos consumidores.