Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

16° aniversário do "11 de setembro"

16° aniversário do "11 de setembro"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Dezasseis anos depois, os Estados Unidos da América não esquecem o atentado que mudou o país e o mundo: o ataque ao World Trade Center em Nova Iorque e ao Pentágono, no estado da Virgínia.

Todos os anos, são muitas as homenagens às cerca de três mil vítimas mortais.

Em Nova Iorque cumpriu-se um minuto de silêncio e os sinos das igrejas tocaram.

Milhares de pessoas, onde se incluem familiares das vítimas, sobreviventes, autoridades e socorristas, reuniram-se no World Trade Center

“Sentimos que, se as pessoas não vierem, mesmo que o slogan seja ‘nunca se esqueça’, as pessoas acabam por esquecer o significado do dia e continuam com os seus afazeres diários sem realmente pararem para refletir sobre o que aconteceu aqui e quantas pessoas se perderam”, afirma a irmã de uma das vítimas.

Donald Trump assinalou a data numa cerimónia de homenagem em frente ao Pentágono, a sede do Departamento de Defesa dos Estados Unidos.


O presidente advertiu que o país está unido e que não se deixará intimidar pelos terroristas

“Aqui neste memorial, com os corações tristes mas determinados, honramos todos os heróis que nos mantêm seguros e livres. Comprometemo-nos a trabalhar juntos, a lutar juntos e a superar todos os inimigos e obstáculos que estão no nosso caminho”, assegura Trump.


Os ataques da al-Qaida mataram 2753 pessoas nas Torres Gémeas, em Nova Iorque, 184 no Pentágono e 40 no voo 93, que caiu num campo na Pensilvânia, depois de passageiros e tripulantes se terem voltado contra os terroristas.