EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

"Provas irrefutáveis" de limpeza étnica

"Provas irrefutáveis" de limpeza étnica
Direitos de autor 
De  Pedro Sacadura com REUTERS, AFP, EFE
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Amnistia Internacional diz ter provas de que está em curso uma campanha massiva de forma a conduzir a população Rohingya para fora do estado de Rakhine, em Myanmar.

PUBLICIDADE

A Amnistia Internacional diz ter “provas irrefutáveis” de que está em curso em Myanmar uma “limpeza étnica” da comunidade muçulmana Rohingya.

Para a organização não-governamental não restam dúvidas.

“Está em curso uma limpeza étnica dos Rohingya no estado de Rakhine. A Amnistia Internacional usou imagens de satélite, dados de deteção de incêndios, fotografias e relatos de testemunhas oculares que fugiram da violência para determinar se está em curso uma campanha massiva de terra queimada de forma a conduzir a população Rohingya para fora do estado de Rakhine”, diz David Griffiths, da Amnistia Internacional.

More than 80 sites set ablaze in orchestrated campaign since Aug 25. Read more of our shocking research in Myanmar https://t.co/OATRjp7eMzpic.twitter.com/bNnP932pby

— AmnestyInternational (@amnestyusa) September 14, 2017

Em comunicado, a ONG acrescenta que “as forças de segurança e multidões de justiceiros estão a queimar aldeias Rohingya inteiras e a fuzilar pessoas ao acaso à medida que tentam fugir.”

Myanmar nega as alegações, mas fontes oficiais do vizinho Bangladesh dizem que tudo aponta para que o Exército esteja a plantar novas minas antipessoal na fronteira com o país para travar os membros da minoria étnica. São já cerca de 400 mil, segundo a ONU, que fugiram desde o início da campanha militar no fim de agosto após uma série de ataques da rebelião Rohingya.

*Com Reuters, AFP, EFE

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

António Guterres fala de "limpeza étnica" contra os rohingyas

Genocídio no Ruanda foi há 30 anos

Conselho de Estado estuda pedido de suspensão de proibição de "abaya" nas escolas francesas