Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Pyongyang é ameaça mas não muito

Pyongyang é ameaça mas não muito
Tamanho do texto Aa Aa

A guerra, por enquanto de palavras, entre EUA e Coreia do Norte continua. O Presidente norte-americano chamou de louco ao seu homólogo norte-coreano e ameaçou destruir o país, enquanto um oficial dos EUA, que preferiu manter o anonimato, disse, esta sexta-feira, à agência Reuters que o seu país leva a sério a ameaça que representa Pyongyang mas que não acredita que o regime norte coreano passe aos atos.

Na sequência do anúncio, por Trump, de novas sanções contra as entidades financeiras e particulares que realizem transações comerciais com a Coreia do Norte, o chefe da Diplomacia norte-coreana afirmava, à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas, que Pyongyang pode considerar lançar uma bomba de hidrogénio sobre o Pacífico.

A bomba H ou termonuclear, é muito mais poderosa do que a bomba atómica A, lançada em 1945 sobre Hiroxima.

Entretanto, a presidência russa afirmou, esta sexta-feira, estar “profundamente preocupada” com “a escalada das tensões” depois das recentes trocas de “ameaças” entre Donald Trump e Kim Jong-un. O líder da Coreia do Norte chamou de “mentalmente perturbado” ao chefe de Estado norte-americano e afirmou que as ameaças de Trump foram “a mais feroz declaração de guerra da história”.