Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Tudo o que precisa de saber sobre o referendo no Curdistão iraquiano

Tudo o que precisa de saber sobre o referendo no Curdistão iraquiano
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

​O que se passa no Curdistão iraquiano?

O​ Curdistão é uma região autónoma iraquiana que realizou um referendo esta segunda-feira, com o objetivo de tornar-se independente.

​Porque é importante a realização do referendo?

​Para alguns analistas, o eleitorado deverá apostar na independência. No entanto, tendo em conta a oposição de alguns dos vizinhos do Iraque, é de esperar tensão e instabilidade a nível regional.

​Porque desejam os curdos viver num Estado próprio?

O​ povo curdo é originário de uma região montanhosa distribuída entre a Turquia, a Síria, o Iraque e o Irão. Desde a reconstrução geopolítica do Médio Oriente, os curdos nunca conseguiram um Estado próprio, vivendo de forma mais ou menos integrada em vários países. No entanto, tiveram alguma esperança nesse sentido durante o Tratado de Sevres de 1920, que aborda a questão de um Estado curdo​, depois da Primeira Grande Guerra Mundial. No entanto, as disposições do Tratado nunca foram aplicadas.

Em 1946, os curdos tiveram direito a uma pátria eterna, que durou apenas 11 meses. A República Curda de Mahabad era situada em território que atualmente faz parte do Irão.

​Em 1961, os curdos do norte do Iraque deram início a uma luta armada. Durante o período em que o Iraque foi governado por Saddam Hussein, os curdos sofreram ataques químicos, com a cidade de Halabja como alvo.

Na primeira metade dos anos 90, a rebelião que se seguiu à primeira Guerra do Golfo foi reprimida de forma violenta.

Posteriormente, a área curda foi reivindicando uma autonomia de facto , estatuto que se tornou oficial em 2005.

​Porque deseja o Curdistão iraquiano autónomo a independência do Iraque?

O​s curdos do norte do Iraque têm um parlamento próprio e gozam de autonomia legislativa em diversas áreas, como é o caso da educação.

​No entanto, o Governo autónomo atravessa uma crise política e financeira. O presidente Massud Barzani insiste em manter-se no poder, numa situação que mais não faz do que agravar a instabilidade na região. A crise económica retirou ao presidente Barzani a legitimidade política e a ideia de lutar pela independência do país pode ajudá-lo a recuperar algum prestígio político.

A verdade é que os curdos do Iraque consideram-se como a parte menos valorizada do país, não só pela experiência histórica – especialmente durante a época de Hussein – mas também porque acreditam que o exército iraquiano é incapaz de protegê-los das ameaças dos jiadistas do autoproclamado Estado Islâmico ou Daesh.

Como Bagdade não colabora com as transferências de fundos para o Governo autónomo curdo, a população identifica o governo central como responsável pela crise.

Qual é a posição do Iraque?

Para o Iraque, o referendo de segunda-feira é inconstitucional e o sinal de que o país poderia vir a partir-se ao meio. A Turquia e o Irão temem que um Curdistão independente seja motivo para que se intensifiquem os desejos de independência nos seus territórios.

Os Estados Unidos são também contra a independência do Curdistão iraquiano porque preferem um Iraque forte e estável, capaz de lutar contra os jiadistas do Daesh.

Israel, por outro lado, assume a posição contrária. Telavive disse, de forma oficial, estar de acordo com a realização do referendo, algo que poderá dever-se às boas relações tradicionalmente mantidas pelos povos curdo e judeu.

Mas Israel poderá também ver num Curdistão independente e amistoso uma forma de destabilizar o Irão, que não reconhece a existência do Estado hebreu.

​O que poderá acontecer?

O​ mais provável é que os curdos do Iraque votem a favor da independência, ainda que Bagdade se recuse a reconhecer o resultado, o que resultaria num Curdistão independente de facto.

​Segundo os analistas, o tema divide a sociedade curda, no norte do Iraque. Se muitos culpam Bagdade por ter cortado os fundos ao Governo autónomo, outros dizem que é importante permanecerem integrados num Iraque capaz de lutar contra o autoproclamado Estado Islâmico.

A região autónoma do Curdistão iraquiano vive com uma dívida de milhões de euros e os salários dos funcionários públicos sofreram importantes cortes desde 2014.