Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Holanda com governo de centro-direita para enfrentar direita extremada

Holanda com governo de centro-direita para enfrentar direita extremada
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

“Habemus governo”, quase se pode dizer da política holandesa, 208 dias após o início das negociações para formação de executivo, as mais longas desde a II Guerra Mundial.

As eleições de 15 de março elegeram Mark Rutte, e o seu VVD de direita (Partido Popular para a Liberdade e a Democracia), mas também subiram à câmara baixa a extrema-direita do PVV (Partido da Liberdade) de Geert Wilders.

Pesada derrota teve a anterior coligação de Rutte, o partido trabalhista (PVdA). A fotografia parlamentar fez-se à saída das urnas com uma fragmentação de 13 partidos representados.

A recusa em coligar com o eurocepticismo de Wilders resulta em 76 deputados num plenário de 150, com 33 do liberal conservador VVD, 19 dos democratas-cristãos da CDA, 19 do liberal progressista D66 e os 5 deputados vindos do calvinismo da União Cristã.

VVD, CDA e D66 tentaram um acordo com a Esquerda Verde, mas os ecologistas fizeram redundar as negociações num não acordo por divergências quanto às políticas de emigração. A opção foi então a União Cristã, com Alexander Pechtold, líder do D66, a deixar cair agora o antagonismo quanto a temas relacionados com ética médica e a possível extensão da lei de eutanásia.

Os líderes de ambos os partidos mostraram-se hoje contentes com o acordo, que foi reduzido a escrito com maior especificidade precisamente por serem também maiores as divergências políticas a ultrapassar.

Um governo de centro-direita com 4 partidos e uma frágil maioria, por um deputado, face à direita extremada.

O Parlamento fará um debate sobre o acordo esta semana e Rutte ser´designado como formador de Governo, se nada imprevisto ocorrer.

As nomeações dos novos ministros ainda não foram anunciadas e espera-se que sejam conhecidas antes do final de outubro.