EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

EUA abandonam UNESCO. Organização da ONU recebeu notificação oficial da diplomacia americana

EUA abandonam UNESCO. Organização da ONU recebeu notificação oficial da diplomacia americana
Direitos de autor 
De  Luis Guita
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Estados Unidos retiram-se da UNESCO. "Esta decisão não foi tomada de ânimo leve e reflete as preocupações dos Estados Unidos com pagamentos em atraso, a necessidade de uma reforma fundamental na organização e a contínua tendência anti-Israel", disse a porta-voz do Departamento de Estado.

PUBLICIDADE

Os Estados Unidos anunciaram, esta quinta-feira, que se retiravam da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e apresentaram como motivos a necessidade de reformas e uma suposta “tendência anti-Israel”.

“Esta decisão não foi tomada de ânimo leve e reflete as preocupações dos Estados Unidos com pagamentos em atraso, crescentes na UNESCO, a necessidade de uma reforma fundamental na organização e a contínua tendência anti-Israel”, disse a porta-voz do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Heather Nauert.

Nauert assegurou que a retirada dos Estados Unidos da Unesco entrará em vigor em 31 de dezembro de 2018, em conformidade com os estatutos da organização.

Apesar de se retirar como membro, o Governo norte-americano expressou o desejo de estabelecer uma missão permanente como país “observador” para a UNESCO.

A diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, disse “lamentar profundamente” a decisão dos Estados Unidos de se retirarem da UNESCO.

Os Estados Unidos suspenderam em 2011 o seu financiamento da UNESCO devido à votação da organização para incluir a Palestina como membro.

Atualmente, Washington deve cerca de 550 milhões de dólares (465 milhões de euros) à instituição.

Washington tinha avisado no início de julho da sua intenção de reexaminar a sua ligação à UNESCO após a decisão de declarar a cidade velha de Hébron, na Cisjordânia ocupada, “zona protegida” do património mundial.

A embaixadora norte-americana na ONU, Nikki Haley, qualificou, então, a decisão de “afronta à História” e considerou que lança “ainda mais descrédito sobre uma agência da ONU já altamente discutível”.

O Conselho Executivo da UNESCO escolhe seu novo diretor-geral na sexta-feira.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden apoia o filho após condenação, mesmo sem indulto. "Estamos orgulhosos do homem que ele é hoje"

Biden chama nações "xenófobas" à Índia e Japão

EUA: estudantes universitários são presos por protestos pró-palestinos