Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

A camada de ozono e os mistérios do clima

A camada de ozono e os mistérios do clima
Tamanho do texto Aa Aa

Agora, é possível medir a direção do vento, a poluição e o ozono a partir do espaço. Para compreender melhor a nossa atmosfera é preciso recolher dados – e é isso que as equipas estão a fazer, na estação meteorológica de Hohenpeissenberg, na Baviera. Nos últimos 50 anos, lançaram balões meteorológicos que fornecem medidas que são combinadas com os dados de satélite, para verificar modelos climáticos.

A camada de ozono da Terra foi danificada pelos CFC´s – os gazes com efeito de estufa – uma poluição provocada pelo homem no século XX. Um balão vai medir precisamente a camada de ozono no sul da Alemanha. “Primeiro vamos percorrer as primeiras camadas, e depois alcançaremos a atmosfera, que não está contaminada pelos elementos terrestres. Vai ficar cada vez mais frio até chegarmos à estratosfera, onde se encontra a maior parte do ozono e onde a temperatura fica mais quente novamente. Isso vai acontecer daqui a 10 quilómetros”, explica o cientista Wolfgang Steinbrecht.

O novo satélite da ESA, o Sentinel-5P, lançado no dia 13 de outubro vai fornecer ainda mais dados sobre a poluição e o ozono. Faz parte do programa Copernicus da Comissão Europeia que pretende medir os níveis de poluição e de ozono a um pormenor sem precedentes. Vai dar informações fundamentais sobre a proveniência das emissões prejudiciais e par onde se dirigem.

O instrumento da Sentinel-5P, o Tropomi, desenvolvido na Holanda, também pode ajudar a esclarecer se a camada de ozono do nosso planeta está no caminho da recuperação, depois dos CFC´s prejudiciais terem sido proibidos em 1989.

“Atualmente, ainda temos um buraco de ozono todos os anos. E este buraco existe entre setembro e outubro no polo sul. De modo geral ainda temos uma diminuição do ozono em comparação com os anos 60 e 70. Esperamos que a camada de ozono melhore. Creio que isso pode acontecer este ano ou talvez no próximo. Talvez o Tropomi seja o instrumento ideal, para provar que a camada de ozono se está a regenerar”, diz a cientista Pieternel Levelt.

Ainda há muitos mistérios relativos à atmosfera da Terra. Nos próximos anos, os novos satélites europeus vão procurar respostas sobre a forma como a poluição contribui para a formação da nuvens e sobre o papel do metano nas alterações climáticas.

Existe também a questão do vento. É um parâmetro fundamental, mas a nível global ainda não há conhecimento suficiente. A ESA vai tentar abordar a questão em 2018, com um satélite chamado Aeolus, que vai medir os ventos da Terra a partir do espaço, pela primeira vez.

Desenvolver um dispositivo para medir o vento a partir do espaço tem sido um processo longo e complexo. Os engenheiros do centro aeroespacial alemão em Oberpfaffenhofen têm vindo a fazer testes para calibrar o instrumento Lidar. Assim que for lançado, o satélite Aeolus vai medir os ventos a 10 a 30 mil metros acima das nossas cabeças. Os dados vão ser usados para melhorar as previsões – imediatamente.