EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Antiga ginasta diz ter sido vítima de abusos sexuais

Antiga ginasta diz ter sido vítima de abusos sexuais
Direitos de autor 
De  Lurdes Duro Pereira com REUTERS, AFP, LUSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Inspirada pela coragem das mulheres que denunciaram os abusos sexuais do produtor Harvey Weinstein, McKayla Maroney decidiu por fim ao silêncio

PUBLICIDADE

A ex atleta McKayla Maroney diz ter sido agredida sexualmente pelo antigo médico da equipa de ginástica dos Estados Unidos. A norte-americana que nas olimpíadas de Londres, em 2012, levou para casa ouro e prata recorreu às redes sociais para dizer que os abusos também acontecem no desporto e que nunca é tarde para denunciar.

A antiga ginasta hoje com 21 anos admite que o caso do produtor Harvey Weinstein lhe deu força para denunciar os abusos de que começou a ser vítima com apenas 13 anos de idade e que só terminaram depois de abandonar a equipa de ginástica. Num texto, publicado nas redes sociais Maroney fala do sonho, do preço que pagou para o concretizar e da necessidade em responsabilizar as pessoas e as instituições. A ex atleta descreve a conduta do médico e como foi violentada antes, durante e depois das olimpíadas. Fala, ainda, de um dos episódios mais difíceis da sua vida aos 15 anos de idade quando voou com a equipa para Tóquio.

Um caso que pode ser servir de exemplo para outras vítimas. “Quando se ouve e alguém a contar uma história destas, com tanta coragem dá força para que outras pessoas sigam o exemplo e para que digam: a mim também me aconteceu” refere Eena Chaudhry, do National Women’s Law Center.

O antigo médico da equipa de ginástica norte-americana foi acusado, entretanto, de ter violado várias atletas – algumas menores de idade – durante cerca de duas décadas e está, atualmente, detido.

A Federação de Ginástica dos Estados Unidos já saudou a coragem da ex atleta e, em comunicado, assegurou “estar a reforçar e a melhorar as políticas e os procedimentos” para evitar que este tipo de casos se repita.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Biden apoia o filho após condenação, mesmo sem indulto. "Estamos orgulhosos do homem que ele é hoje"

Biden chama nações "xenófobas" à Índia e Japão

EUA: estudantes universitários são presos por protestos pró-palestinos