Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Isabel dos Santos: "Angola não é a Venezuela"

Isabel dos Santos: "Angola não é a Venezuela"
Tamanho do texto Aa Aa

“É impossível comparar Angola com a Venezuela”. A afirmação pertence a Isabel dos Santos, presidente da petrolífera estatal angolana, Sonangol, numa entrevista à Agência de notícias Reuters. Embora existam algumas semelhanças como a grande dependência da economia no petróleo e em importantes empréstimos oriundos da China, a empresária explica: “Penso que as realidades venezuelana e Angola são totalmente distintas, não têm nada em comum, Talvez o clima… Por isso, nesse sentido, é impossível comparar a experiência dos dois países com a China (…) Devo dizer que a China é o maior financiador mundial, até mesmo as economias europeias estão a ser financiadas pela China, não há qualquer tabu sobre sermos financiados pelos bancos chineses porque isso acontece em todo o lado”.

O financiamento chinês à Sonangol não preocupa a filha do ex-presidente José Eduardo dos Santos que sublinha um dos principais problemas da economia angolana. “Um dos grandes desafios é, claro, o acesso a divisas estrangeiras, porque ainda estamos muito dependentes do petróleo porque é a nossa principal exportaçâo. Ser investidora num certo tipo de atividade de exportação não seria um risco, mas se estiver a gerir servicos locais e estiver dependente de divisas estrangeiras, então aí haverá um risco potencial”, explica.

Sobre o jogo do poder e o facto de o pai já não ser chefe de Estado, e a promessa do novo presidente João Lourenço corrigir alguns vícios da sociedade angolana, Isabel dos santos está tranquila e apoia a visão do novo líder angolano.

“Novamente, gostaria de referir que a minha família não tem necessariamente um papel. Quero dizer, eu não me reconheço como alguém que tem um papel a desempenhar no seio da família. Mas voltando à questão da responsabilidade, eu acho que é responsabilidade dos que estão na liderança, daqueles que têm a possibilidade de mudar as coisas, de enfrentar os desafios, de resolver problemas como o da corrupção e educar as pessoas. Por isso, sim, penso que o novo presidente teve uma abordagem muito boa, que é enfrentar os desafios, dizer o que podemos fazer sobre isso, quais são as coisas que devemos abordar”, salientou.

Isabel dos santos diz ter em mãos um grande desafio na Sonangol. Referiu que quando assumiu a gestão da pretrolífera, a Sonangol vivia das dívidas e que já conseguiu eliminar 3 mil milhões de dólares de dívida de um total estimado de 13 mil milhões.