A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Homenagem em Moscovo às vítimas do estalinismo

Homenagem em Moscovo às vítimas do estalinismo
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Como todos os anos, na última década, milhares de pessoas reuniram-se na praça Lubyanka, em Moscovo, para homenageram as vítimas da repressão estalinista. Na presença de familiares, entidades oficiais e embaixadores, os nomes conhecidos das vítimas foram lidos durante a cerimónia.

“As autoridades tentam, por vezes, fazer alguma aproximação a este passado negro. Vemos, por vezes, em diferentes situações, uma certa afinidade com a União Soviética de Estaline. É por isso que acontecimentos como este são da maior importância, para que as autoridades vejam que o povo não esquece”, refere Sergey Mitrokhin, o ex-líder do Yabloko, o Partido Democrático “Rússia Unida”.

Também para o embaixador da Alemanha em Moscovo, Rudiger von Fritsch, este tipo de cerimónias são fundamentais: “O século XX conheceu muita repressão. Também no meu país, a Alemanha. Por isso estamos a homenagear todas as vítimas, porque só a memória poderá ajudar-nos a evitar que estas coisas voltem a acontecer”.

Apesar de não existirem números oficiais, a ONGMemorial que organiza esta comemoração há 11 anos, fala em 12 milhões de vítimas, no período em que Josef Estaline liderou a União Soviética, entre 1924 e 1953.