Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Odinga quer novas presidenciais no Quénia

Odinga quer novas presidenciais no Quénia
Tamanho do texto Aa Aa

Convocar novas eleições presidenciais no Quénia no prazo de 90 dias. É o apelo lançado pelo líder da oposição que já classificou o escrutínio desta quinta-feira como uma farsa.

A ausência de reformas na Comissão Eleitoral, que responsabiliza pelas irregularidades nas presidenciais de agosto levou Raila Odinga – que lidera uma coligação de partidos e movimentos da oposição – a boicotar a repetição do escrutínio.

Odinga aponta o dedo ao Presidente cessante, Uhuru Kenyatta

“Penso que as eleições foram fraudulentas, essa é a melhor forma de descrever o escrutínio. Não foram verdadeiras eleições. Estima-se que três milhões e meio de eleitores tenham ido às urnas, mas Kenyatta ultrapassa os sete milhões. Pelo que só pode ser um esquema” afirma o líder da oposição.

Números que segundo Odinga indiciam irregularidades, tal como aconteceu com aconteceu no escrutínio realizado em agosto e posteriormente anulado pelo Supremo Tribunal

Os confrontos entre as forças da segurança e apoiantes da oposição que tentaram bloquear o acesso às assembleias de voto voltaram a eclodir esta quinta-feira. Desde agosto, os confrontos terão provocado entre 50 e 67 mortos.