Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Quais são as origens do dia das bruxas (Halloween)?

Quais são as origens do dia das bruxas (Halloween)?
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Halloween é a celebração anual do dia 31 de outubro.

Nesta noite, centenas de crianças e também muitos adultos, com mascaras do sobrenatural ou do macabro, especialmente nos continentes Europeu e Americano, cumprem a noite da “partida ou guloseima” (trick or treat).

A popularidade cresceu em todo o mundo. Do Japão aos Estados Unidos, a festividade ganha cada vez mais uma dimensão global e os comerciantes apercebem-se disso.

Mas de onde vem esta celebração e qual é a relação dos símbolos e tradições com as comunidades?

ِAbóboras

Iluminar e fazer esculturas nas abóboras tem origem nos tempos dos rituais celtas pré-romanos. Na altura, as esculturas nos vegetais (geralmente nabos) serviam para proteger aqueles que os carregavam. Os celtas acreditavam que os rostos esculpidos afugentavam os espiritos noturnos durante o festival sagrado de fim de ano.

No entanto, as abóboras são uma recente introdução à simbologia do Halloween. Os imigrantes irlandeses nas Américas perceberam que eram fáceis de esculpir, tornando-as assim uma parte instrumental do dia das bruxas.

Máscaras

Apesar da conceção moderna dar a entender que é uma tradição exclusivamente americana, o Halloween tem uma longa história, imbuída em lendas, superstições e nas origens europeias.

Na sua raiz, o Halloween é um festival pagão celebrado no 1º de novembro, que marca o final do verão e o ano novo celta.

Chamado Samhain, era a altura em que os agricultores recolhiam as colheitas e matavam animais pela carne – tal como as flora se preparava para o inverno – era o momento quando o mundo dos vivos e dos mortos estavam o mais próximo possível.

Em zonas da Escócia e da Irlanda, os antigos celtas usavam máscaras ou trocavam roupas para afugentar ou confundir os espíritos que ‘pretendessem’ dominar os vivos.

A tradição de mascarar a identidade sobreviveu e tem sido reinterpretada através dos séculos, o que originou na tradição moderna dos disfarces usados hoje em dia.

Partida ou guloseima

As ofertas de comida aos mortos também existiam durante o Samhain e eram uma forma de memória e apaziguamento.

O novo ano celta era igualmente um banquete e os espirítos dos que haviam morrido recentemente eram convidados a participar.

Com a difusão do cristianismo na Europa, a igreja católica (Roma) pretendeu apagar os rituais pagãos e cimentar o seu lugar nas mentes e corações dos convertidos.

Para incitar as pessoas a irem à igreja e tornar as tradições pagãs compatíveis com as do cristianismo, em 837 DC, o Papa Gregório IV adaptou o dia de todos os mártires de 13 de maio para coincidir com o Samhain.

O papa também rebatizou o ritual com o nome de Dia de Todos-os-Santos. Habitualmente, a igreja realizava uma vigília no dia 31 de outubro.

Através dos tempos, o nome Samhain transformou-se em “Halloween”.

Morder a maçã

Apesar da morte e das ideias dos espíritos fazerem parte fazerem parte do festival celta do Samhain, o evento não era sombrio.

De facto, as comunidades celtas aproveitavam para refletir sobre o ano que tinha passado, acolhiam novos membros na comunidade e tentavam prever o futuro através de jogos.

O jogo de morder a maçã era um desses desafios.

Exportação do Halloween

O Halloween moderno, reinterpretado pelos Estados Unidos e pelo Canadá, não teve a vida fácil para entrar na cultura europeia.

Nos anos 90, o Halloween foi brevemente exportado para França mas nunca conseguiu ganhar o fervor comercial visto nos Estados Unidos.

A experiência durou um par de anos e progressivamente se esbateu, com excepção de festas, bares e clubes de expatriados, que realizavam festas de Halloween.