Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Governo libanês exige regresso de Hariri

Governo libanês exige regresso de Hariri
Tamanho do texto Aa Aa

Será que o primeiro-ministro libanês, Saad Hariri, tem liberdade de movimentos? Esta é a questão que o presidente libanês, Michel Aoun, pretende ver respondida depois do chefe do executivo ter anunciado a sua demissão a partir da Arábia Saudita no sábado passado.

Desde então acumulam-se as questões a este propósito. O presidente libanês afirma mesmo que Hariri encontra-se em prisão domiciliária. Desde então veio igualmente a saber-se que há três dias Hariri ter-se-ia avistado com o príncipe Mohammed bin Zayed al-Nahyan dos Emirados Árabes Unidos assim como outros líderes europeus e norte-americanos com o presidente francês, Emmanuel Macron, a servir de mediador.

O líder do Hezbollah no Líbano, Nasrallah, juntou a sua voz à do presidente exigindo esta sexta-feira o regresso de Hariri ao país.

A partir de Nova Iorque, o secretário-geral da ONU, António Guterres, afirma estar igualmente muito preocupado com o escalar de tensões entre a Arábia Saudita e o Líbano.

De recordar que a mulher e família de Hariri vivem na capital saudita, Riade, que atravessa um período de incerteza na sequência das detenções de 11 príncipes sauditas acusados de corrupção.

Questionado num programa de rádio, o ministro francês dos negócios estrangeiros afirma que tanto quanto sabe Hariri não se encontraria detido em prisão domiciliária e que teria liberdade de movimentos.

Jean-Yves Le Drian adianta que para o governo francês a prioridade é a estabilidade do Líbano e a necessidade de uma solução política o mais rapidamente possível.

Entretanto, em Beirute centenas de cidadãos dos estados do Golfo começaram a abandonar o país na sexta-feira depois do alerta lançado pelos seus países.

O aviso surge na sequência da escalada de tensões entre o Líbano e a Arábia Saudita.