EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Norte-americanos opositores ao "clima" de Trump na conferência de Bona

Norte-americanos opositores ao "clima" de Trump na conferência de Bona
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O ex-presidente da câmara de Nova Iorque, Michael Bloomberg, e o antigo vice-presidente dos EUA e Nobel da Paz, Al Gore, foram alguns dos rostos na COP 23

PUBLICIDADE

“Washington não pode parar o empenho dos americanos na aplicação do acordo do clima de Paris” – A vontade expressa por uma delegação norte-americana não oficial à margem da conferência do clima em Bona (COP 23) na Alemanha.

A corrente de protestos contra Donald Trump e a sua administração enchou as ruas da cidade alemã num apelo simultâneo a uma ação ainda mais forte para poupar as geraçôes vindouras das catástrofes previstas ocorrerem com o aquecimento global.

O ex-presidente da câmara de Nova Iorque, Michael Bloomberg, e o antigo vice-presidente dos EUA e Nobel da Paz, Al Gore, são apenas duas das faces de políticos e empresários por detrás do compromisso americano do “We are still in”, uma plataforma pan-norte-americana de apoiantes e defensores das metas do Acordo de Paris.

Os presidentes de câmara das cidades norte-americanas de Davenport e Saint Gabriel falaram aos microfones da euronews. ‘Nós queremos ter a certeza que representamos o facto de, aconteça o que acontecer ao nível nacional, todos nós ao longo do Mississipi e nos Estados Unidos ainda mantemos o trabalho que é importante para o clima e outros aspetos relacionados que preocupam e prendem a nossa atenção”, explicou Frank J. Klipsch, presidente da Câmara de Daveport.

“Estamos a tentar pressionar o mundo … para perceber que ainda fazemos parte desta iniciativa e que nos preocupamos”, diz Lionel Johnson, presidente da Câmara de St. Gabriel.

O recém-publicado relatório do grupo “America’s Pledge” refere que as pessoas e instituições não-governamentais que apoiam o pacto de Paris representam 10 milhões de milhões de dólares ou seja, 54% do Produto Interno Bruto dos Estados Unidos em 2016.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Diretora dos Serviços Secretos demite-se após tentativa de assassinato de Donald Trump

Diretora dos Serviços Secretos dos EUA admite que "falhou" na missão de proteger Trump

"Um grande gesto de um grande presidente". Líderes europeus reagem à desistência de Biden