EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Análise Africanews: As ambições de Grace Mugabe e a crise

Análise Africanews: As ambições de Grace Mugabe e a crise
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As tensões em Harare ocorrem quando o casal presidencial dá sinais de querer perpetuar-se no poder.

PUBLICIDADE

A crise no Zimbabué acontece quando há sinais de que clã Mugabe tenta consolidar o poder no país da África Austral.

A mulher do presidente, Grace Mugabe, poderia pretender ocupar o lugar de vice-presidente, depois do afastamento de Emmerson Mnanagagwa, próximo das Forças Armadas, no passado dia oito de novembro.

Ainda não se sabe se o presidente zimbabueano será afastado, mas, por agora, o objetivo dos militares parece ser o de impedir que a primeira dama se torne a sua sucessora. Uma possibilidade que parecia cada vez mais plausível depois do afastamento de Mnangagwa, agora no exílio.

Grace Mugabe, de 52 anos, tem vindo a fazer esforços cada vez mais determinados para chegar ao poder.

Army takes charge in Zimbabwe [The Morning Call] https://t.co/pVI5OK9yhd

— africanews (@africanews) 15 de novembro de 2017

Ignatus Annor, jornalista do canal de informação panafricano Africanews, recorda, no entanto, que Grace Mugabe não recolhe muita simpatia no partido do marido, a ZANU-PF. Isto porque chegou a criticar o partido, por alegadas responsabilidades na situação de caos político no Zimbabué. Apesar da idade e da saúde frágil, Mugabe, agora com 93 anos, foi designado pelo partido Zanu-PF como candidato às presidenciais de 2018.

Emmerson Mnangagwa, o Crocolido

Emmerson Mnangagwa, conhecido no país como “Crocodilo”, foi um forte defensor de Robert Mugabe durante décadas. Para muitos, era o sucessor natural do presidente, no poder desde 1980.

Mnangagwa e Mugabe foram companheiros de guerrilha, durante a guerra pela emancipação da maioria negra na que era então a Rodésia e, anteriormente, Rodésia do Sul.

O companheiro do presidente era visto como um moderador entre o partido dominante no país africano, a ZANU-PF, e a hierarquia militar.

Mnangagwa acompanhou Mugabe no exílio em Moçambique nos anos 80, onde ocupou funções como assistente daquele que viria a tornar-se presidente do Zimbabué.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Parabéns, Africanews!

Primeiro contingente de tropas da Alemanha chega a Vilnius para reforçar flanco leste da NATO

Porta-voz do exército israelita: "Pode haver um cessar-fogo hoje ou daqui a um ano".