Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Zimbabué: Militares detêm ministros de Mugabe mas negam "golpe"

Zimbabué: Militares detêm ministros de Mugabe mas negam "golpe"
Tamanho do texto Aa Aa

O exército do Zimbabué desafia pela primeira vez em mais de três décadas o poder do presidente Robert Mugabe. A capital do país despertou, esta manhã, com a televisão nacional e vários edifícios públicos ocupados por militares, após relatos de vários tiroteios e explosões.

Pelo menos cinco responsáveis do governo e da polícia terão sido detidos durante a noite, entre os quais o ministro das Finanças, Ignatius Chombo.

Num comunicado lido em direto na televisão nacional, um dos responsáveis do exército nega, no entanto, tratar-se de um golpe militar, falando de uma operação para deter o que considera ser a “rede de criminosos” em torno do chefe de Estado de 93 anos.

“Queremos assegurar que o presidente e chefe das forças armadas do Zimbabué encontra-se são e salvo e em segurança”, afirmou o responsável de logística do exércio nacional, o Major-General SB Moyo.

A intervenção liderada pelo chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, o general Constantino Chiwenga, foi considerada como uma “traição” e uma “incitação à rebelião” num comunicado do partido de Mugabe, o ZANU-PF.

A entrada em cena dos militares ocorre num clima de crise económica e de fratura dentro do partido governamental em torno da sucessão do presidente, uma semana após a demissão do vice-presidente, denunciada como uma “purga” pelos militares.

Emmerson Mnangagwa, um veterano da guerra da independência, tinha sido alegadamente afastado do cargo pela atual primeira-dama do país, Grace Mugabe, que também aspira a suceder ao marido na presidência.

O principal partido da oposição, o MDC, apelou esta manhã a uma “democratização pacífica e constitucional” do país, após a intervenção dos militares.