Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Brexit: estatuto da fronteira na Irlanda já causa disrupção na ilha

Brexit: estatuto da fronteira na Irlanda já causa disrupção na ilha
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Um dos temas mais difíceis na negociação do Brexit é que tipo de fronteira se vai estabelecer entre a Irlanda do Norte, território britânico, e o resto da ilha, que constitui a República da Irlanda e que vai continuar a ser um Estado-membro da União Europeia.

“O Reino Unido tem de propor soluções mais credíveis em termos da implementação do Acordo de Sexta-feira Santa, que é a base da paz na ilha da Irlanda, e em termos da gestão das questões fronteiriças. Não temos ainda propostas credíveis sobre isso”, disse, à euronews, Simon Coveney, chefe da diplomacia da República da Irlanda.

As consequências de uma negociação que se arrasta começam já a sentir-se, como explica Michael Brody, gestor da uma empresa familiar de criação de patos, que trabalha com fornecedores e clientes dos dois lados da fronteira.

“Tivemos que negociar ajustes de preços com os clientes no Reino Unido, para onde vendemos 45% do que produzimos. Temos fornecedores dos dois lados da fronteira, mas desde o referendo do Brexit, tivemos que passar a trabalhar apenas com os que estão a sul da fronteira”, disse o empresário.

Londonderry é uma das cidades mais famosas da luta entre separatistas e unionistas, que terminou com a assinatura do Acordo da Sexta-feira Santa, em 1998.

“A ponte da paz foi construída nesta cidade da Irlanda do Norte muitos anos depois de o acordo da Sexta-feira Santa ter sido assinado, para simbolizar a reconciliação. Naquela altura, ninguém podia antecipar o Brexit. Agora, as pessoas temem que uma fronteira rígida ponha em risco as perspetivas económicas da região, mas também o próprio processo de paz “, refere a enviada da euronews, Efi Kotsoukosta.

Mais de 3500 pessoas morreram no conflito que durou quase quatro décadas.