Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Diplomacia europeia quer unidade internacional sobre Coreia do Norte

Federica Mogherini em entrevista à Euronews
Federica Mogherini em entrevista à Euronews
Tamanho do texto Aa Aa

O acordo sobre o programa nuclear iraniano e a mudança de estratégia em África sobre o combate à imigração ilegal e a segurança foram temas abordados com a chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, numa entrevista à Euronews, à margem na Conferência MED 2017, em Roma. A oportunidade serviu também para fazer uma balanço das relações entre a administração Trump e Bruxelas.

"Às vezes, penso na expressão de Kissinger quando ele pedia o número de telefone da Europa. Agora os EUA têm o número de telefone da Europa, mas, por vezes, somos nós que temos de perguntar qual é o número de telefone de Washington. Mas nós falamos muitas vezes e trabalhamos muito bem sobre vários temas," afirmou Federica Mogherini.

Euronews: Pode falar sobre a Coreia do Norte? Há trocas? Qual é sua posição? Até agora, a diplomacia europeia tem sido tímida sobre a questão da Coreia do Norte.

"É exatamente o oposto. Fomos os primeiros a aplicar todas as sanções que foram decididas pela ONU, também fomos o primeiro a adicionar, por iniciativa própria, elementos de pressão económica sobre Pyongyang, muito rapidamente e em coordenação com os nossos parceiros americanos e especialmente com os da região. Coordenamos cada passo da nossa ação com Washington, Seul, Tóquio, mas também com Pequim e Moscovo. Apenas a unidade da comunidade internacional e do Conselho de Segurança da ONU podem abrir um caminho de negociação com a Coreia do Norte. Esse esforço conjunto deve incluir o trabalho que a China pode fazer na atual situação para a abertura de um canal diplomático que hoje não existe," esclareceu Federica Mogherini.

Este é um excerto da entrevista que será difundida brevemente.