Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

México não pagará o muro de Trump

México não pagará o muro de Trump
Tamanho do texto Aa Aa

O muro de Donald Trump é um problema americano. Esta é a essência da mensagem do embaixador do México em França, Juan Manuel Gómez Verduzco, na entrevista que concedeu à euronews. As questões de segurança no país também foram abordadas pelo diplomata.

Escarlata Sánchez, euronews:

Afinal quem vai construir o muro, quem o vai pagar, existirá alguma vez o muro ou a grande muralha de Donald Trump?

Juan Manuel Gómez Verduzco:

O muro é algo que não está na agenda das relações entre os dois governos. A proposta que foi feita pelo governo do presidente Trump é algo que nos ofendeu e considerámos uma grande ofensa ao povo do México. Dentro do seu território não nos compete dizer o que deverá fazer e por conseguinte o México não vai pagar um centavo por esse muro.

Escarlata Sánchez, euronews:

O seu país tem enfrentado situações de grande violência com características diferentes em certas regiões. Como está o governo mexicano a lidar com esta situação?

Juan Manuel Gómez Verduzco:

Com muita cooperação internacional. O México sabe os desafios que tem e os que temos ainda, com efeito em algumas regiões, como bem destacou. Não é uma situação generalizada, afortunadamente, e temos avançado.

Cidades como Ciudad de Juárez melhoraram de forma notável. Hoje, Ciudad Juárez é uma cidade que foi recuperada, e não sou que o digo, di-lo a imprensa especializada e as ONGs especializadas que acompanharam a transformação em Ciudade de Juárez e também de Tijuana.

Subsistem áreas complicadas, resultado do poder do narcotráfico e do crime organizado. Houve um aumento, sem dúvida alguma, mas estamos a responder com uma cada vez maior profissionalização da polícia no México. Além da polícia federal, votámos há pouco tempo a criação de uma força de "gendarmaria", um pouco como o modelo francês. França apoiou-nos muito nesse sentido e o que pretendemos é ir melhorando, cada vez mais, as nossas capacidades."