Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

"Contra-ataque" mundial às declarações de Trump sobre Jerusalém

"Contra-ataque" mundial às declarações de Trump sobre Jerusalém
Tamanho do texto Aa Aa

Às incendiárias declarações de Donald Trump sobre Jerusalém seguiu-se o contra-ataque mundial.

Esta quinta-feira, a chefe da diplomacia europeia criticou a decisão do Presidente dos Estados Unidos de reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

"O anúncio do Presidente Trump sobre Jerusalém tem um impacto potencial bastante preocupante. O contexto é bastante frágil e o anúncio traz com ele a possibilidade de nos fazer retroceder para tempos ainda mais negros do que aqueles em que vivemos", sublinhou Federica Mogherini.

O ministro israelita dos Negócios Estrangeiros classificou de "desconcertante" a declaração de Mogherini.

De visita à Grécia, a primeira de um presidente turco em 65 anos, Recep Tayyip Erdoğan, manifestou-se igualmente contra Trump: "Agora o que quer que diga, acontece. É a nova abordagem dos Estados Unidos. Este discurso mau e infeliz vai provocar problemas na região. É o que penso."

Já no Qatar, o Presidente francês fez esta quinta-feira uma visita relâmpago com vários contratos, a crise no Golfo e a luta antiterrorista na agenda.

Emmanuel Macron não deixou também de se pronunciar sobre o tema do momento.

"Não estou de acordo com esta decisão e desaprovo porque infringe a lei internacional, as resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas. França vai defender a posição no Conselho de Segurança", disse Emmanuel Macron.

O ministro britânico dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson, sublinhou que o fato dos EUA reconhecerem Jerusalém como capital de Israel neste momento "não ajuda."