Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Hamas apela a uma nova intifada

Hamas apela a uma nova intifada
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Hamas, apelou, esta quinta-feira, a uma nova intifada. O movimento islâmico palestiniano pede que se inicie uma revolta contra Israel um dia depois de Donald Trump, reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

"Façamos do oitavo dia de dezembro o "Dia da raiva", e o início de um amplo movimento de intifada, que será chamado de liberdade para Jerusalém e Cisjordânia, enquanto libertamos Gaza", afirmou Ismail Haniyeh, líder político do Hamas.

Na Faixa de Gaza, os residentes expressam raiva e frustração pela decisão do presidente dos EUA que pode destruir a já por si frágil paz no Médio Oriente:

"Eu digo aos árabes que devem estar todos juntos e enfrentar os judeus, todos, jovens, velhos e mulheres, isto é um desastre", afirma Joma'a al-Dorra, residente de Gaza.

O Hamas matou centenas de israelitas durante um levantamento armado, no início dos anos 2000. Hoje, a capacidade deste grupo palestiniano, de realizar ataques, é mais limitada.

Quarta-feira, Donald Trump afirmava: 

"Hoje reconhecemos, finalmente, o óbvio, que Jerusalém é a capital de Israel (...) Isto é mais do que o reconhecimento da realidade. (...) É algo que tem que ser feito. Com este anúncio reafirmo o comprometimento da minha administração com um futuro de paz", afirmou na quarta-feira o presidente dos EUA.

Ainda na quarta-feira, e depois deste anúncio, O líder político do Hamas, Ismail Haniye, tinha afirmado que a decisão de Trump não altera o estatuto "religioso, jurídico e administrativo" da cidade. Outro responsável garantia que a decisão "abre as portas do inferno".

Os palestinianos reivindicam Jerusalém Oriental como capital do futuro Estado da Palestina e mesmo a maior parte dos países da comunidade internacional não reconhecem Jerusalém como capital de Israel.