Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

A discórdia entre Netanyahu e UE sobre Jerusalém

A discórdia entre Netanyahu e UE sobre Jerusalém
Tamanho do texto Aa Aa

União Europeia e Israel não estão, pelo menos para já, em sintonia. Enquanto o Primeiro-ministro israelita afirmou acredita que a maior parte dos países da Europa acabará por reconhecer Jerusalém como capital de Israel. A chefe da Diplomacia europeia afirma que tudo fica como antes:

"Acreditamos que a única solução realista para o conflito entre Israel e a Palestina é a de dois estados com Jerusalém como a capital de ambos, o Estado de Israel e o Estado da Palestina ao longo da fronteira de 1967, esta é a nossa posição e nós continuaremos a respeitar o acordo internacional sobre Jerusalém", afirmou Federica Mogherini, a chefe da Diplomacia Europeia.

Benjamin Netanyahu afirmou que não só acontecerá este reconhecimento como as representações dos países em Israel serão transferidas para Jerusalém:

"Eu penso que o presidente Trump colocou os fatos diretamente sobre a mesa. A paz é baseada na realidade. Eu acredito que todos, ou a maioria dos países europeus, irão ter embaixadas em Jerusalém, reconhecerão Jerusalém como a capital de Israel e trabalharão connosco pela segurança, prosperidade e paz", disse o chefe do executivo israelita.

Donald Trump reconheceu Jerusalém como capital de Israel, cidade que está no seio da discórdia entre israelitas e palestinianos. Estes últimos esperam que Jerusalém Oriental seja a capital do Estado da Palestina.