EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Estados Unidos veta resolução da ONU que condena reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel

Estados Unidos veta resolução da ONU que condena reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Embaixadora dos EUA para as Nações Unidas define resolução como "insulto" e afirma que esta "não será esquecida".

PUBLICIDADE

Os Estados Unidos vetaram uma resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas que condenava o reconhecimento de Jerusalém como a capital do estado de Israel.

O voto acontece duas semanas depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter tomado a decisão. Os EUA foram o único país do Conselho de Segurança, com 15 membros, a votar contra.

A resolução foi introduzida pelo Egito, que ocupa uma posição não permanente no organismo, e evitava referências diretas aos EUA, dizendo apenas que os estados membros "lamentam profundamente decisões recentes relativas ao estatuto de Jerusalém."

A resolução dizia ainda que "o estatuto final" de Jerusalém "é um assunto que deve ser resolvido através de negociações", repetindo aquilo que tem sido a política oficial da ONU nas últimas décadas.

Depois de um briefing do Coordenador Especial para o Processo de Paz no Médio Oriente, Nickolay Mladenov, a embaixadora dos EUA junto da ONU, Nikki Haley, anunciou que o país iria vetar a resolução.

Estados Unidos consideram resolução "um insulto"

"Não vou desperdiçar o tempo deste Conselho discutindo onde é que uma nação soberana deseja colocar a sua embaixada e porque temos todo o direito de o fazer", disse a representante.

Haley disse também que a atual administração teria vetado a resolução 2334, passada em dezembro do ano passado, quando Barack Obama ainda era presidente, com aprovação dos EUA, e que condena a construção de colonatos por parte de Israel.

A embaixadora classificou essa resolução como um "insulto", disse que era um "impedimento" para o processo de paz no Médio Oriente e que dava "um livre passe" aos palestinianos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Washington anuncia cortes no financiamento das Nações Unidas

A discórdia entre Netanyahu e UE sobre Jerusalém

Jerusalém: Quarto dia de confrontos na Palestina