EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Banco Mundial deixa de financiar petróleo e gás

Banco Mundial deixa de financiar petróleo e gás
Direitos de autor 
De  Nara Madeira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Banco Mundial vai deixar de financiar, a partir de 2019, a exploração de petróleo e gás. Salvo projetos em países pobres.

PUBLICIDADE

O Banco Mundial anunciou que não continuará a financiar a exploração de petróleo e gás, depois de 2019. Exceção feita a projetos específicos e em países pobres. Este foi o primeiro anúncio concreto feito na capital francesa, na cimeira para o clima dois anos depois da assinatura do Acordo de Paris:

"Criámos uma plataforma chamada "Investimento no clima", que é uma maneira de apoiar o desenvolvimento das finanças locais, nacionais, através de fontes públicas e financiamento privado. Para colmatarmos essa falha, quando ela existe, porque é fundamental conseguir fundos. A transição para uma menor dependência do carbono está ainda fragmentada. Temos de encontrar formas mais poderosas de unir as pessoas", afirmou Kristalina Georgieva, diretora-geral do Banco Mundial.

O setor privado é considerado essencial, pelos atores políticos, para se conseguir a transição entre energias e alcançar-se o objetivo de fazer com que o aquecimento global fique abaixo dos 2º Celsius:

"Eu entendo que os investidores privados, quando pensam investir em África, precisem de garantias adicionais. É isso que queremos fazer ao fornecer as chamadas Garantias de Risco, no valor de 4,1 mil milhões de euros, o objetivo é dizer: venha investir, se tiver alguma dúvida, alguma preocupação, nós somos os primeiros a perder", adianta Maroš Šefčovič, comissário europeu para o setor da Energia.

"O objetivo desta cimeira é transformar os compromissos políticos, feitos há dois anos, em ações concretas. Mas também se trata de mudar a vontade do setor privado para se envolver na luta contra as mudanças climáticas", explica Grégoire Lory, o enviado da Euronews à cimeira.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Petrolífera Ocidental junta-se à Total para aquisição da Anadarko

Campos Elísios transformam-se numa enorme mesa de piquenique

VivaTech 2024: Inteligência artificial é o centro das atenções na feira anual de tecnologia francesa