Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Banco Mundial deixa de financiar petróleo e gás

Banco Mundial deixa de financiar petróleo e gás
Tamanho do texto Aa Aa

O Banco Mundial anunciou que não continuará a financiar a exploração de petróleo e gás, depois de 2019. Exceção feita a projetos específicos e em países pobres. Este foi o primeiro anúncio concreto feito na capital francesa, na cimeira para o clima dois anos depois da assinatura do Acordo de Paris:

"Criámos uma plataforma chamada "Investimento no clima", que é uma maneira de apoiar o desenvolvimento das finanças locais, nacionais, através de fontes públicas e financiamento privado. Para colmatarmos essa falha, quando ela existe, porque é fundamental conseguir fundos. A transição para uma menor dependência do carbono está ainda fragmentada. Temos de encontrar formas mais poderosas de unir as pessoas", afirmou Kristalina Georgieva, diretora-geral do Banco Mundial.

O setor privado é considerado essencial, pelos atores políticos, para se conseguir a transição entre energias e alcançar-se o objetivo de fazer com que o aquecimento global fique abaixo dos 2º Celsius:

"Eu entendo que os investidores privados, quando pensam investir em África, precisem de garantias adicionais. É isso que queremos fazer ao fornecer as chamadas Garantias de Risco, no valor de 4,1 mil milhões de euros, o objetivo é dizer: venha investir, se tiver alguma dúvida, alguma preocupação, nós somos os primeiros a perder", adianta Maroš Šefčovič, comissário europeu para o setor da Energia.

"O objetivo desta cimeira é transformar os compromissos políticos, feitos há dois anos, em ações concretas. Mas também se trata de mudar a vontade do setor privado para se envolver na luta contra as mudanças climáticas", explica Grégoire Lory, o enviado da Euronews à cimeira.