Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Neutralidade da Net vai a votos nos EUA

Partidários da neutralidade da Net protestam contra a esperada mudança
Partidários da neutralidade da Net protestam contra a esperada mudança -
Direitos de autor
REUTERS/Yuri Gripas
Tamanho do texto Aa Aa

A internet tal como a conhecemos pode ter os dias contados. O principio de "neutralidade" da rede deve terminar hoje nos Estados Unidos.

Mas o que é a neutralidade da internet? É a regra que surgiu durante a presidência de Barack Obama que obriga os fornecedores de acesso a Net a tratarem todos os serviços em linha da mesma maneira.

Hoje a Comissão Federal das Comunicações (CFC) vota sobre o fim dessa regra. O presidente, nomeado em janeiro por Donald Trump é a favor.

"Foram atribuídas muitas regras há dois anos e nós estamos a tentar resolver um problema que não existia", afirma Ajit Pai, presidente da CFC.

Tal como muitos comuns utilizadores, algumas companhias estão contra. Uma das consequências pode ser a venda de maiores velocidades de entrega dos seus conteúdos, que certamente se irá refletir no preço ao consumidor ou mesmo na maior rapidez de acesso a uma mensagem de propaganda política ou comercial. Dan ackerman, perito da plataforma CNET explica:

"Podem passar a existir favoritismos com parcerias entre fornecedores de internet e fornecedores de conteúdos ou organizações de notícias ou políticas. Não acho que vai ser o fim do mundo imediato mas definitivamente abre a porta a coisas que não queremos", diz.

Mas os partidários do fim da neutralidade da rede consideram que as regras atuais impedem investimentos em novos serviços como as videoconferências ou, por exemplo, a telemedicina que precisam de altos débitos de internet.

Quando hoje a desregulamentação for votada, espera-se que os três republicanos votem a favor com a oposição democrata, em minoria na comissão.