This content is not available in your region

Aprovadas regras para neutralidade da Internet na União Europeia

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Aprovadas regras para neutralidade da Internet na União Europeia

A aprovação, no Parlamento Europeu, de um conjunto de regras para regulamentar a neutralidade da Internet na União Europeia está longe de gerar consenso.

A “luz verde” dos eurodeputados em Estrasburgo não escapa ao coro de críticas de ativistas e empresas do setor porque as regras deixam lugar para exceções.

Em teoria, pretende-se que não haja discriminação do tráfego de Internet, o que quer dizer que os dados transmitidos pelos operadores de telecomunicações não podem ser favorecidos ou discriminados, como explicou o comissário para o Mercado Único Digital, Andrus Ansip: “As regras comuns sobre a neutralidade da Internet significam que os operadores de acesso à Internet não podem escolher vencedores ou perdedores na rede, ou decidir que conteúdo e serviços estão disponíveis.”

O bloqueio ou o condicionamento dos serviços será, no entanto, permitido em algumas circunstâncias, como o combate a ciberataques, a resolução de um congestionamento excecional do tráfego ou para dar cumprimento a decisões judiciais.

A eurodeputada alemã do Partido Pirata, Julia Reda, não esconde alguma inquietude: “A neutralidade da Internet significa que não há discriminação do tráfego, restrições ou interferências, independentemente do recetor, tipo, conteúdo, dispositivo, serviço ou aplicação. O Conselho da União Europeia está a tentar fazer-nos acreditar que é o que conseguiremos com esta regulação, mas pergunto porque é que o Conselho recusa incluir esta definição ou mesmo o termo neutralidade da Internet no acordo.”

O texto consta de um pacote legislativo mais vasto que contempla o fim das tarifas de roaming, previsto a partir de junho de 2017.