Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

65 jornalistas mortos em 2017

65 jornalistas mortos em 2017
Tamanho do texto Aa Aa

É o habitual balanço negro dos “Repórteres sem Fronteiras” que aponta, no entanto, 2017 como o ano menos violento para os jornalistas, desde 2003. O menor número de repórteres em cenários de guerra pode estar na origem deste decréscimo de mortes.

Este ano, 65 jornalistas foram mortos em todo o mundo: 39 foram assassinados ou atacados e 26 morreram em trabalho, principalmente em zonas de conflito.

O Iraque continua a ser uma das zonas mais perigosas mas, este ano, a Síria foi o país mais mortífero.

Para além dos cenários de guerra, há países como o México onde é muito perigoso denunciar a corrupção da classe política ou o poder do crime organizado. Javier Valdez, especialista em temas de narcotráfico, foi morto a tiro na rua, em maio.

No balanço anual, divulgado esta terça-feira, os Repórteres sem Fronteiras lembram também os 326 jornalistas detidos no mundo. 

A China tem o recorde de 52 repórteres presos.