EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

65 jornalistas mortos em 2017

65 jornalistas mortos em 2017
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Iraque continua a ser uma das zonas mais perigosas mas, este ano, a Síria foi o país mais mortífero.

PUBLICIDADE

É o habitual balanço negro dos “Repórteres sem Fronteiras” que aponta, no entanto, 2017 como o ano menos violento para os jornalistas, desde 2003. O menor número de repórteres em cenários de guerra pode estar na origem deste decréscimo de mortes.

Este ano, 65 jornalistas foram mortos em todo o mundo: 39 foram assassinados ou atacados e 26 morreram em trabalho, principalmente em zonas de conflito.

O Iraque continua a ser uma das zonas mais perigosas mas, este ano, a Síria foi o país mais mortífero.

Para além dos cenários de guerra, há países como o México onde é muito perigoso denunciar a corrupção da classe política ou o poder do crime organizado. Javier Valdez, especialista em temas de narcotráfico, foi morto a tiro na rua, em maio.

No balanço anual, divulgado esta terça-feira, os Repórteres sem Fronteiras lembram também os 326 jornalistas detidos no mundo. 

A China tem o recorde de 52 repórteres presos. 

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Jornalistas palestinianos recebem Prémio Liberdade de Imprensa da UNESCO

Biden apela à libertação de jornalistas no jantar dos correspondentes de imprensa

Jornalista americano Evan Gershkovich está detido há um ano na Rússia