Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Boris Johnson visita Moscovo e deixa avisos

Boris Johnson visita Moscovo e deixa avisos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

À chegada, abraços e apertos de mão, mas o clima de cordialidade esfriou gradualmente.

De visita à Rússia, a primeira de um chefe da diplomacia britânica em cinco anos, Boris Johnson falou no aumento das exportações do Reino Unido para o país.

No diálogo com o homólogo russo, Sergei Lavrov, não deixou de referir a tensão nas relações bilaterais e de falar, entre outras matérias, numa resposta à altura em caso de eventuais ciberataques.

"Não podemos ignorar as dificuldades. Não podemos fazer de conta que não existem e que não partilhamos uma visão comum sobre os acontecimentos na Ucrânia, nos Balcãs Ocidentais ou, como disse a primeira-ministra britânica Theresa May, sobre as atividades russas no ciberespaço. Também falamos em nome da comunidade LGBT na Chechénia e no mundo, como se espera de nós", sublinhou Boris Johnson.

À entrada para as conversações, o ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov, acrescentou que as relações entre os dois países "estão em baixo."

Foi ainda mais claro durante a conferência de imprensa conjunta desta sexta-feira.

"Pessoalmente não me lembro que ações agressivas da Rússia contra o Reino Unido. Nunca acusámos Londres de coisa alguma, mas ouvimos, pelo contrário, muitas acusações, mesmo insultos, por parte do Reino Unido contra a Rússia. Acusações de que apoiamos um regime criminoso na Síria, de que somos agressores e ocupantes", disse Lavrov.

Nenhum dos lados espera grandes mudanças nas relações. Boris Johnson já tinha agendado a viagem oficial duas vezes. Acabou sempre por desmarcar em cima da hora.