Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Pyongyang: Sanções são "ato de guerra"

Pyongyang: Sanções são "ato de guerra"
Tamanho do texto Aa Aa

A Coreia do Norte qualificou como “ato de guerra” as novas sanções aplicadas na pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas contra Pyongyang pelo programa nuclear e de mísseis balísticos.

Num comunicado divulgado pela agência de notícias oficial KCNA, a diplomacia norte-coreana considera as sanções “um atentado violento contra a soberania” do país.

“Os Estados Unidos, completamente aterrorizados com a nossa histórica conquista de completar a força estatal nuclear, atuam com medidas cada vez mais histéricas para impor as maiores sanções e pressão possíveis ao nosso país”, diz o comunicado.

Nesse sentido, Pyongyang deixa uma advertência: “Se os Estados Unidos desejam viver em paz, deveriam abandonar a sua política hostil contra República Popular Democrática da Coreia e aprender a coexistir com uma nação que tem armas nucleares”.

Sanções impostas pelo Conselho de Segurança

O Conselho de Segurança da ONU impôs nnovas sanções à Coreia do Norte em resposta ao ensaio de um míssil balístico intercontinental, com capacidade para atingir território norte-americano, realizado no final de novembro.

As novas sanções incluem restrições ao envio de combustíveis para Pyongyang e a repatriação dos norte-coreanos que trabalham no estrangeiro, e cujos rendimentos beneficiam o Governo do país.

De acordo com os EUA, a resolução reduzirá em 89% o acesso do regime a gasolina, gasóleo e outros derivados do petróleo.

Em paralelo, inclui provisões nas quais o Conselho de Segurança se compromete a impor novas reduções no fornecimento de petróleo ao país em caso de novos ensaios com mísseis balísticos intercontinentais.

Em relação aos trabalhadores norte-coreanos no exterior, a resolução requer a todos os países que os expulsem num prazo máximo de dois anos.

Washington indicou que cerca de 100.000 norte-coreanos trabalham fora do país, na sua maioria na China e Rússia. 

Os Estados Unidos asseguram que os impostos que estes trabalhadores pagam ao Estado norte-coreano geram anualmente mais de 400 milhões de euros.