Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Daesh reivindica ataque a igreja no Egito

Daesh reivindica ataque a igreja no Egito
Tamanho do texto Aa Aa

No Egito a segurança foi reforçada depois do ataque na igreja cristã de Saint Mina, que provocou nove mortos. O ministério do Interior precisou que o atacante tinha sido detido, e não abatido como tinha sido inicialmente informado pelo ministério da saúde.

O relato de quem se encontrava no local confirma a nova versão dos acontecimentos:

"Ouvi o primeiro estrondo e o ataque durou bastante tempo, o atacante recarregava a arma e continuava a disparar. Depois de levar os feridos para o hospital vi as forças de segurança chegar. Disse-lhes quem tinha sido o autor dos disparos, um jovem barbudo, e ele foi detido. Não estava morto mas tinha sido ferido na perna."

Já o Bispo Andraos, que presidia a cerimónia, garantiu que se a porta não estivesse fechada, o ataque teria sido mais grave que o ataque à mesquita que provocou mais de 300 mortos o mês passado.

O atentado foi reivindicado pelo Daesh por intermédio da agência de propaganda da organização terrorista, Amaq. Este ano a comunidade cristã no Egito já sofreu dois ataques reivindicados pelo grupo Estado Islâmico que provocaram mais de 70 mortos.

Apesar do medo, a comunidade cristã do Egito irá continuar a preparar as celebrações do Natal copta, a 7 de janeiro, data em que os ortodoxos festejam o nascimento de Jesus Cristo.