Última hora

Mercado tecnológico em busca de soluções para falhas de segurança

Mercado tecnológico em busca de soluções para falhas de segurança
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Na quarta-feira, investigadores em segurança - da Alphabet Inc. Google Project Zero em parceria com investigadores académicos e industriais de vários países -  revelaram uma série de falhas que, segundo eles, podem permitir o roubo de informação de quase todos os aparelhos informáticos modernos com processadores da Intel Corp, Advanced Micro Devices Inc e ARM Holdings.

Uma das falhas é específica da Intel e chama-se Meltdown, mas a outra, que se chama Spectre, pode afetar portáteis, computadores de secretária, smartphones, tablets e servidores de internet.

A solução, segundo a Intel e a ARM, que declararam não ser uma falha de conceção, passa pelo download de um programa específico e pela atualização do sistema operativo, mas o eventual comprometimento do desempenho dos processadores, com perdas até 30% do desempenho, está a levar muitas empresas a testar as soluções apresentadas com cautela.

Daniel Gruss, um dos investigadores a descobrir a falha Meltdown quando tentou hackear o seu próprio computador, afirmou que esta seria "provavelmente uma das piores falhas alguma vez encontradas em CPUs" (Inglês para Unidade de Processamento Central) e permite passar a barreira de hardware entre as aplicações usadas por utilizadores e a memória do computador, conduzindo potencialmente ao roubo de arquivo e de palavras-passe. O Spectre permite aos piratas informáticos enganar aplicações de outro modo livres de erro, conduzindo a fugas de informação secreta. 

"O ataque do Meltdown é como carteirismo. Pode facilmente aprender-se quais os truques para fazer carteirismo e quando comparado, o Spectre é mais como um truque de mente Jedi onde se convence alguém a entregar a carteira. Ou seja, o ataque Spectre manipula o computador ao ponto de ele acreditar que deve fazer algo que não deveria.", diz Gruss.

A Apple revelou na quinta-feira que lançará dentro de dias uma solução para o navegador Safari, existente em iPhones, iPads e computadores Mac.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.