Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Um português no Polo Sul

Um português no Polo Sul
Tamanho do texto Aa Aa

Ângelo Felgueiras deverá estar de regresso a Portugal esta quarta-feira, depois de quase dois meses passados a esquiar na Antártida.

O piloto e aventureiro está de parabéns, não só pelo facto de ter cumprido 54 anos de idade esta segunda-feira mas, em particular, por se converter no domingo no primeiro português a completar uma expedição ao Polo Sul.

Foram 57 dias a esquiar, puxando um trenó com equipamento, através do continente gelado, desde a Ross Ice Shelf até ao ponto mais a sul do planeta. Mais de 1100 quilómetros através de paisagens brancas, enfrentando temperaturas de -25 a -40 graus centígrados, para cumprir uma aventura fantástica, mas também com um fim caritativo: cada metro percorrido com os esquis, traduz-se num euro revertido a favor da Associação Acreditar de pais e amigos de crianças com cancro.

A RTP entrevistou o aventureiro pouco depois de concluída a longa viagem e a Acreditar transmitiu uma mensagem de Ângelo Felgueiras desde o Polo Sul, através do Instagram:

Ao longo dos 57 dias que durou a aventura, foi possível acompanhar o périplo numa página Instagram dedicada ("Esquiar por uma causa") e através dos relatos feitos na primeira pessoa à Rádio Comercial.

Piloto aéreo de profissão, Ângelo Felgueiras conta já com um largo rol de aventuras, também com fins caritativos. A chegada ao Polo Sul acontece quase cinco anos depois de ter conquistado o Polo Norte

O piloto faz também parte do clube exclusivo de seres humanos a ter escalado os "Sete Cumes" ("Seven Summits", em inglês), as maiores montanhas de cada um dos sete continentes: o Evereste (Ásia), o Aconcágua (América do Sul), o Denali (América do Norte), o Kilimanjaro (África), o Elbrus (Europa), o Vinson (Antártida) e o Puncak Jaya ou Pirâmide Carstensz (Oceânia).

A partir do sul do Chile, de onde parte de regresso a Portugal, o aventureiro fez questão de deixar uma mensagem de agradecimento onde relembra o fim solidário da fantástica viagem.