Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Lepra: Brasil e Moçambique na lista de urgência da ONU

REUTERS
REUTERS
Tamanho do texto Aa Aa

O Brasil e Moçambique estão na lista de urgência da ONU de países que precisam de uma ação prioritária para combater a lepra.

A lepra é uma doença infecciosa que afeta a pele e os nervos, com mais de 200 mil novos casos registados por ano, em todo o mundo.

Alice Cruz, relatora especial para a eliminação da lepra do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, admite que o número de infeções no Brasil e em Moçambique é preocupante, e que é necessário agir imediatamente. 

Apesar de ser uma doença curável, a lepra atinge também uma dimensão preocupante noutros países no mundo, como é o caso da Índia, Indonésia, Bangladesh, República Democrática do Congo, Madagáscar, Myanmar, Nepal, Filipinas, Etiópia ou Nigéria.

A Organização Mundial de Saúde registou 214.783 casos de lepra em 2016, incluindo 12.437 pessoas com um grau avançado da doença.

A responsável da ONU, Alice Cruz, considera que a discriminação que roda à volta da doença também precisa de ser eliminada. 

"Muitas pessoas com lepra permanecem presas num ciclo interminável de discriminação e deficiência", disse, em relação ao preconceito que pode sofrer um doente. 

Alice Cruz denuncia que a doença pode levar a "violações de direitos humanos e a segregação de pessoas atingidas pela doença".

"A realidade é que a doença continua a afetar pessoas, o que mostra que há atrasos no diagnóstico e falta de acesso a tratamento de alta qualidade. As crianças estão entre aqueles que sofrem desnecessariamente", disse a relatora das Nações Unidas.

Alice Cruz considera também que a lepra acaba por afetar as comunidades mais pobres. 

"Os países onde a lepra é endémica associa-se às desigualdades sociais e afeta principalmente as comunidades mais pobres. (...) Noutors países, surgem novos desafios, tais como o aumento de casos entre pessoas nascidas no exterior", afirmou, acrescentando que aos páises "devem agir em cumprimento das obrigações com os direitos humanos, eliminando leis discriminatórias e de segregação", admite Alice Cruz. 

Em Portugal, segundo a Direção-Geral de Saúde, a doença não constitui perigo para a saúde pública.